Quitanda em Florença, no clima da Toscana

Após a calmaria de Siena e Montalcino, chegamos à efervescente Florença e nos instalamos perto da estação de trem, mas a uma certa caminhada do centro. Veja mais fotos de Florença no Flickr do Braun Café.

Na cidade dos Medici, os patronos do renascimento, tínhamos um compromisso com as artes. A concorrida Galeria Ufizzi, endereço obrigatório em Florença, já estava reservada desde a primeira semana de viagem. Recomendo a  compra dos ingressos (10 euros com taxa) com pelo menos uma semana de antecedência no site www.uffizi.firenze.it

Se quiser admirar o belo Davi, de Michelangelo, reserve mais 10 euros para a entrada (incluindo a taxa de reserva) na Galeria Dell’Accademia ou fique com a réplica, exibida a céu aberto, em frente à Ufizzi.

Salada morna de batatas e polvo do Al Chirola di Jimmy

A Biblioteca dos Medici (Biblioteca Medicea Laurenziana), projetada por Michelangelo, também é imperdível. Vale visitar só a Biblioteca sensacional (3 euros) e dispensar a cadetral. E a Piazzalle Michelangelo é muito recomendada pela linda vista da cidade ao entardecer.

Dispense o audioguide e baixe os podcasts gratuitos do Rick Steves com guias detalhados de museus e caminhadas em Roma, Firenze e outras cidades da Itália.

Vale lembrar que ainda estamos na Toscana e a cidade oferece uma série de opções interessantes ‘per mangiare’. Coloquei abaixo as dicas do Marcelo Jabour, advogado e gourmet, que fez ótimas recomendações em Firenze. No cansaço após os passeios, entretanto, optamos por restaurantes vizinhos ao Bed & Breakfast.

Primi piatti no Jimmy: risoto de aspargos com provolone defumado

O primeiro jantar ainda seguiu o esquema à italiana. No Al Chirola di Jimmy provei uma excelente salada morna de polvo com batatas e um cremoso risoto de aspargos com provolone defumado. Excelente.

Depois do Jimmy, resolvemos variar. Na segunda noite jantamos em um ótimo ‘ristorante cinese’ chamado Osir (hein?), com direito a tacinha de prossecco como cortesia na chegada. Meu frango tailandês com legumes estava leve e saboroso.

Na última noite fomos conhecer o grego Odysseia, há dois quarteirões do B&B. Sem falar italiano, muito menos grego, tivemos um pouco de dificuldade de escolher os pratos no começo, mas a filha dos donos falava um pouco de inglês e tudo se resolveu.

Presente dos gregos: Queijo feta assado no alumínio com cebola roxa, páprica, pimentão e tomate

A entrada, chamada Manuri, é uma ótima ideia para fazer em casa: queijo feta assado no alumínio com páprica, cebola roxa e rodelas de pimentão. Vai muito bem com pão sírio. Para beber, o Fábio pediu uma ‘Fanta grega’ e eu fui de vinho grego (retsina), mas acho que a laranjada estava mais amiga.

Os pratos principais era meio que um mix de especialidades na grelha. Experimentei o Suluvlaki (pedaços de peito de frango envoltos em bacon, com salada grega, molhinho de páprica com ricota). Só achei que as fritas não ‘ornaram’.

Suluvlaki: peito de frango com tiras de bacon, salada grega e... fritas

Eu ainda pedi um doce da casa, um folhado com nozes e mel, bem similar aos doces sírios e um café. O problema é que insisti em provar o café grego. A garçonete perguntou umas duas vezes se era isso mesmo que eu queria e fui firme na decisão. Resultado: tomei o pior café da minha vida. Praticamente uma água quente com pó de café, sem gosto. Já experimentei e gostei bastante do café turco, que também é feito com o pó sem coador, mas aquele ‘café de grego’ não rolou.

McItália: Salada de folhas verdes, parma e lascas de parmesão, com molho especial e croutons

Durante o dia nos esbaldamos no McDonald’s italiano, que é muito mais criativo do que o nosso. Nas entradas, por exemplo, eles oferecem o gamberi (três camarões médios empanados) por 3 euros. Entre os sandubas especiais, destaque para o CBO (Chicken, Bacon and Onion), com pedacinhos de onion rings e pão salpicado de bacon, e o Matrimônio (cheese salada com pedacinhos de presunto parma no pão ciabata macio). Até a salada era bacana: rúcula, alface, lascas de parmesão e presunto parma com molho de azeite e limão. Recomendo.

A bisteca fiorentina ficou para uma próxima. O esquema do bife mais famoso da cidade exige disposição física e financeira. Para se ter uma ideia, a bisteca é vendida a 4 euros, em média, por cada 100 gramas. Até aí tudo bem, mas a porção mínima varia de 800 a 1.200 gramas. Difícil…

Bisteca fiorentina: 4 euros cada 100 gramas. Mínimo de 800 gramas a 1,2 quilo.

Al Chirola di Jimmy
Viale F. Strozzi, 16r (zona Fortezza) – Florença, Itália
Tel.: +39 055 4625049

Odysseia Cucina Grega
Via Agnolo Poliziano, 7r – Florença, Itália
Cel.: 389 8809550 / 333 6660951

Ristorante Osir
Viale S. Lavagnini, 22r – Florença, Itália
Tel.: +39 055 474942

Dicas de advogado gourmet em Firenze:

Il profeta
Via Borgognissanti, 93 R – Florença, Itália
Reservas: +39 055 212265/055212265

Trattoria Angiolino di Saccardi Riccardo
Via Trento, 739, San Donnino Campi Bisenzio – Florença, Itália
Tel.: +39 055 8739438

Trattoria S. Zanobi – Cucina Tipica Fiorentina
Via San Zanobi, 33 – Florença, Itália
Tel.: +39 055 475286       ‎

Vineria Mazzanti – Osteria
Via dei Magazzini, 3-red – Florença, Itália
Tel.: +39 055 293045       ‎

%d blogueiros gostam disto: