foto-2

Sede da vinícola Le Marchesine, produtora de Franciacorta, em Brescia, no Norte da Itália.

Os franceses têm Champagne e os italianos têm Franciacorta. O Braun Café resgata aqui a memória de um dia inesquecível na região da Lombardia, no Norte da Itália, onde esse precioso espumante é produzido.

A matriarca da família Baetta, dona Giuliana brinda com um dos champagnes à italiana produzidos na vinícola da família.

A matriarca da família Biatta, dona Giuliana brinda com um dos rótulos de Franciacorta produzidos na vinícola da família.

Em um dia ensolarado de novembro de 2014, lá estava eu pegando 35 minutos de trem de Verona para a província de Brescia, ansiosa para experimentar o famoso Franciacorta, na vinícola Le Marchesine, uma das cinco maiores da região. Quem me falou do vinho foi a querida Fabíola, que me passou o contato do Giuseppe, representante da vinícola por aqui. (Sim! Tem Franciacorta no Brasil. Veja abaixo algumas dicas de locais e preços).*

Um dos rótulos da Le Marchesine. (Foto: Instagram @lemarchesine)

Um dos rótulos da Le Marchesine. (Foto: Instagram @lemarchesine)

Dona Giuliana Biatta e sua família nos receberam carinhosamente na propriedade, que é da família desde 1985, para conhecermos a produção do Franciacorta. O espumante feito com uvas chardonnay, pinot branc e um toque de pinot noir, tem um tempo médio de 18 meses de fermentação em garrafa.

Franciacorta oi inspirado em uma visita à região de Champagne, nos anos 60.

Franciacorta surgiu após uma visita à província de Champagne, nos anos 60.

Os italianos evitam comparações com Champagne, embora a inspiração tenha vindo de lá. Em meados da década de 60, um jovem meio rebelde chamado Mauricio Zanella, foi encaminhado pelo pai, um produtor de vinhos da Brescia, para estudar na França e entrar na linha. Foi lá que o jovem

O deslumbrante Lago de Iseo é uma das atrações turísticas de Brescia.

O deslumbrante Lago de Iseo é uma das atrações turísticas de Brescia.

resolveu fazer uma visita à região de Champagne, se apaixonou e voltou pra casa com uma ideia na cabeça, que se transformou em um dos orgulhos da Itália.

O espumante também tem sua taça, diferente da flûte, criada especificamente para ele. A bebida é suave e vibrante, com delicadas ‘bolhinhas’ e um leve aroma de fermento… de alegria… de Franciacorta.

Almoço no Ristorante Il Paiolo, em Iseo. Embutidos artesanais e aspargos à milanesa.

Ristorante Il Paiolo, em Iseo, serve deliciosos aspargos à milanesa.

Após a visita à vinícola, fomos almoçar no Ristorante Il Paiolo na pequenina cidade de Iseo, onde também é servido o Franciacorta da família. Fico emocionada de lembrar dos embutidos e dos aspargos à milanesa desse lugar.

Piazza del Porto é um dos vilarejos ao redor do Lago de Iseo.

Piazza del Porto é um dos vilarejos ao redor do Lago de Iseo.

Iseo é uma das pequenas cidades que circundam o deslumbrante Lago de Iseo, atração turística de Brescia. O lado, que faz divisa entre a Depois do almoço, demos uma volta de carro por todo o lago, parando em alguns pontos para admirar as paisagens dos vilarejos, das montanhas e do pôr do sol de um dia inesquecível. Um brinde aos momentos felizes e inesquecíveis que virão. Feliz 2017!

Onde encontrar:
Os preços do Franciacorta podem variar bastante por fatores como tempo de fermentação em garrafa, safra e tradição da vinícola. Todos têm a Demoninação de Origem Controlada e Garantida (DOCG). Alguns exemplos que encontrei:
Villa Crespia Franciacorta (R$ 108 na Gran Cru)
Le Marchesine Franciacorta Brut (US$ 43 dólares no Duty Free)
Monte Rossa (R$ 180 e R$ 270 no supermercado Saint Marche)
Bellavista Alma Cuvée (R$ 345 na World Wine)
Cuvée Prestige Ca´Del Bosco (R$ 329 na Mistral)

Anúncios

Vinhos para fazer a festa

dezembro 19, 2010

O aveludado Cabernet Sauvignon Fleur Du Cap (Foto: Mario Nagano)

Tempos de festas pedem vinhos mais bacanas para celebrar. Aproveitando a ocasião fiz um aspanhado de dicas, começando por um set no Flickr do Braun Café com uma degustação que pode inspirar as compras de Natal e Ano Novo.

Lima, o sommelier, abrindo paladares na degustação de vinhos (Foto: Mario Nagano)

A seleção de rótulos da importadora Casa Flora foi realizada em meados de novembro pelo sommelier Lima, responsável pela cave do hotel Blue Mountain, inaugurado em maio deste ano, em Campos do Jordão (SP). O momento foi perfeito após um dia de muito trabalho no Intel Editor´s Day, evento que reuniu jornalistas de tecnologia em Campos – e o querido Mario Nagano fez uma ótima cobertura fotográfica da degustação.

Cava, o elegante espumante da cataluña (Foto: Mario Nagano)

Provamos um refrescante Cava brut Don Román, um Sauvignon Blanc Manor House da sul-africana Nederburg 2008 (meu favorito), o tinto português Duorum Colheita 2009 e o redondo sul-africano Cabernet Sauvignon Fleur Du Cap 2006.

Sauvignon blanc sul-africano com inesquecível aroma de pimentão (Foto: Mario Nagano)

Para quem está mais para temperança neste fim de ano, minha dica é cidra (ou sidra) francesa. Felizmente importadoras como a Mistral estão apostando nesta bebida leve, refrescante e de baixo teor alcoólico (de 2,5% a 4,5%). Para incentivar as compras de fim de ano, a Mistral está trabalhando com dólar fixo a R$ 1,65 para garrafas que custam a partir de US$ 20 (ou a partir de US$ 10 para meia garrafa).

Rótulos com mensagem

'Carpe Diem': rótulo pronto para a virada

Quer dar um vinho de presente? O rosé chileno 2008 da Vinã Carpe Diem é saboroso, aromático e fácil de agradar. Além disso, o nome já é um bom desejo de ano novo. Descobri este ano no Lola Bistrô, durante a Restaurant Week. Custa R$ 35 na Casa do Porto.

Oremus: uma bênção para a sobremesa natalina

Para presentear no Natal e acompanhar os doces da ceia, minha dica é o vinho de sobremesa Tokaji Late Harvest 2006 “Oremus” (Vega Sicília)  – mensagem perfeita para a ocasião. Provei na casa da Kay e do Mau com cupcakes após um delicioso jantar (veja as fotos no Flickr). O sabor incrível puxado para o maracujá é uma bênção.

%d blogueiros gostam disto: