Aqui vão algumas dicas rápidas de lugares em São Paulo, que estão na minha lista mental (o “Gooloogle”) para futuros ‘toasts’ e foram muito bem recomendados pelos amigos e leitores do Braun Café. Eles sempre dizem “Você já foi no…?” ou “Você tem que ir nesse lugar!”. Então já vou adiantando aqui sete lugares para comer, beber e viver antes… do fim do ano.

Picadinho com tartar de banana do Bar da Dona Onça. Foto: divulgação

Picadinho com tartar de banana do Bar da Dona Onça. Foto: divulgação

Mistura Fina
O Bar da Dona Onça, embaixo do Edifício Copan, um dos cartões postais da cidade, oferece releituras dos tradicionais ‘PFs’ como o picadinho com arroz, ovo frito na manteiga e, no lugar da banana frita, um tartar de banana com cebolinha roxa. Alê Scaglia garante que é um dos melhores picadinhos da vida. O preço não é muito popular (R$ 36 o prato), mas vale a pena, garante o Alê. Dê uma espiada no cardápio no site…
Bar da Dona Onça – Edifício Copan – Av. Ipiranga, 200, Lojas 27 e 29 – República. Tel.: (11) 3257-2016.

Aos mestres-cervejeiros com carinho
Se você gosta de cervejas, o Melograno é o lugar. A carta de rótulos especiais (das brasileiras às belgas) é o diferencial deste bar, na Vila Madalena. Os amigos ‘mestres-cervejeiros’ Flávio Remontti e Fabrício contam que o ambiente é bacana e tem porções e sanduíches incrementados como o Melograno, com ragú de cordeiro na cerveja escura e molho de romã. Aliás, o nome do local é uma referência ao pé de romã (‘melograno’ em italiano) que fica no jardim da casa, informa o site do bar.
Melograno
– Rua Aspicuelta, 436, Vila Madalena. Tel. (11) 3031-2921.

Mulligan: atendimento simpático e boas opções como a tcheca 1795 e a belga Chimay

Mulligan: bate-papo com o garçom e ótimas cervejas como a tcheca 1795

Garçom amigo
Estive duas vezes no Mulligan, tradicional pub de Porto Alegre que abriu sua filial paulistana este ao, e agora faço uma atualização. Na primeira foi um caos por conta do Dia de São Patrício (o bar não estava preparado para receber tanta gente). Voltei no começo de junho e foi um dos melhores atendimentos que já presenciei. Se quiser bater papo sobre cervejas, conte com a simpatia e o conhecimento dos garçons. Só fique de olho na conta – a deliciosa belga Chimay sai por R$ 22 (garrafinha individual), mas é uma ótima pedida assim como a tcheca 1795 (da foto). A Guinness também é cremosa e bem tirada. No cardápio gastronômico, a dica da Cris Sato, que sempre acompanha o blog e dá ótimas dicas, é a panqueca “Boxty Gaelic”, com recheio de filé ao molho de whisky e cogumelos. “Foi a recomendação do nosso garçom e estava uma delícia. A panqueca em si é normal, neutra, mas o recheio estava tão saboroso que pedimos pães só para raspar o que sobrou do molhinho rsrsrs” comenta a Cris.
Mulligan Irish Pub – Rua Bela Cintra, 1.579 – Jardins. Tel.: (11) 3892-1284.

O Nordeste é logo ali
Ainda vou agitar uma excursão para conhecer o Mocotó, na Vila Medeiros. O lugar ficou famoso pelos ótimos pratos da culinária nordestina, sob o comando do jovem chef Rodrigo Oliveira, com preços muito acessíveis e uma extensa carta de cachaças. Quem me falou primeiro de lá foi o Paulo Henrique (querido PH). A Cecília, ‘amigue’ e colaboradora deste blog, esteve por lá recentemente com o Alê Dalóia, com quem adoro bater papo sobre dicas gastronômicas. Os pratos, segundo Cecília, custam em torno de R$ 25 e servem muito bem duas pessoas. Os pedidos incluíram a porção de carne seca na manteiga de garrafa com mandioca cozida e o “Atolado de Bode” (cabrito ensopado com mandioca, servido no mini tacho) .
Mocotó Restaurante e Cachaçaria
– Av. Nossa Senhora do Loreto, 1.100 – Vila Medeiros. Tel.: (11) 2951-3056.


Show de massas chinesas
Entre os milhares de restaurantes orientais do bairro da Liberdade está o Rong He, especializado em massas chinesas feitas na hora – dizem que assistir a preparação é um show a parte. O Gui Colugnatti já me falou muito deste lugar destacando também a excelente porção de bolinhos recheados com camarão no vapor, as porções fartas e os preços muito amigos. Passei a dica ao querido Fábio Almeida, que estava na Liberdade sábado passado e me ligou pedindo uma recomendação. Deu certo. Mais tarde recebi o seguinte torpedo: “Super aprovado o Rong He. O que seria de meu almoço sem vc? Agora temos de ir juntos”.
Restaurante Rong He Massa Chinesa – Rua Da Glória, 622 – Liberdade. Tels.: (11) 3275-1986 / 3208-0529.

Opa!
O Acrópoles, no Bom Retiro, não é o único restaurante grego da cidade. O Café Olympia fica na Chácara Santo Antônio e a dica é do Demi Getschko é diretor-presidente do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br). O Demi é considerado um dos “pais” da internet no Brasil e também sabe tudo da boa mesa. Segundo o ele, além de experimentar bons pratos da culinária grega, como a moussaka, no Olympia você também pode jogar os pratos no chão e dançar ao som de música folclórica ao vivo de qualidade.
Café Olympia – Rua do Estilo Barroco, 25 – Chácara Santo Antonio. Tel.: (11) 5182-7486.

O sahsimi especial da Zona Norte

“Salmão cortado bem fininho com cebolinha, shoyo e limão”. Ao ouvir a descrição feita pelo Alê Dalóia sobre o sashimi do Sushi Hiroshi, você quer largar tudo e ir correndo para o restaurante. Segundo ele, é um dos melhores japoneses da cidade.
Sushi Hiroshi – Rua Capitão Manuel Novaes, 189 – Santana. Tel.: (11) 6979-6677.

Hooligan´s

março 21, 2009

Foto: www.squidoo.com/guinness-merchandise

Homenagem ao atendimento do Mulligan no Dia de São Patrício. Foto: http://www.squidoo.com/guinness-merchandise

Acho que o Dia de São Patrício é o Carnaval irlandês. Os pubs promovem Guinness a preços especiais, decoram suas casas com trevos, seus atendentes se fantasiam com as cores da bandeira da Irlanda, os clientes lotam os pubs, bebem a valer, ficam alegres e descontrolados.

Estive no pub Mulligan na última terça-feira (17/03), para comemorar o St. Patrick´s Day e tive uma boa idéia do que é uma administração ‘descontrol’. Por não cobrar entrada – ao contrário da maioria dos pubs do Clã Guinness que cobravam R$ 60 para homens com direito a um pint – o estabelecimento aberto há poucos meses atraiu uma clientela significativa até demais.

Após 50 minutos de trânsito na cidade chuvosa, eu só queria beber minha Guinness com o amigo Pedro, atualmente chef do bar Jazz nos Fundos aos sábados (que chique hein ‘Predo’?). Tinha boas recomendações da Silvia Bassi sobre a comida. E realmente o pessoal da cozinha faz um bom trabalho (ótima porção de picantes chicken wings e gostosas batatinhas ‘jacked’ com cream cheese e cheddar), o que salvou a noite. Pena que só conseguimos pedir alguma comida lá por volta da uma da manhã, quando um garçom simpático, veio nos atender. Antes disso, vou listar alguns episódios da noite:

21h – Conseguimos um cantinho no balcão do pub abarrotado e o semi-pint (menos de 400 ml) de Guinness era servido em copos de plástico. Espero seja apenas no St. Patrick´s Day.

22h – Os clientes continuavam a encher o pub. Encontramos um amigo do Pedro em uma mesa no salão inferior. Algum tempo depois, na hora de pagar a conta, os clientes viram que suas mochilas haviam sido furtadas. Sim… elas foram comprar cigarros e nunca mais voltaram… (ainda não sei como a casa resolveu isso);

"Good things come to those who wait". Foto: http://epica-awards.com

"Good things come to those who wait". Foto: http://epica-awards.com

22h15 – A banda começou a tocar música irlandesa no andar de cima e animou o público a bater os pés no chão. Lá embaixo eu via o teto balançar tanto que comecei a rezar para São Patrício. Funcionou e a estrutura da casa é bem forte;

22h30 – O pub resolveu interromper a entrada dos clientes. Formou-se uma fila na porta, que não andava, mesmo após a saída de diversos clientes que também enfrentaram outra fila enorme para pagar;

22h40 – O amigo Renato foi nos encontrar e empacou na fila. Levei uma Guinness para acalmá-lo. Outras pessoas na espera não estavam tão felizes;

22h50 – O trânsito no salão era pior do que o que peguei para ir ao pub. O atendimento do bar não conseguia dar conta. Cheguei a ver um barman tentando abrir uma garrafa de cerveja com uma faca de serra. O cliente então pediu a garrafa e abriu no dente;

23h30 – Acabou a Guinness. Avisaram que teríamos de esperar a reposição, mas a Guinness também foi comprar cigarros e…

00h – As pielsens irlandesas Harp e (Oh my god!) Killkenny estava quentes. Pedi uma Eisenberg, que estava estranhamente salgada;

00h30 – O salão estava vazio e Renato tinha conseguido entrar. Pegamos uma das mesas do pub e ficamos batendo papo. No andar de cima, a banda tocava “Wish you were here” e pessoas bêbadas cantavam junto, desta vez, trançando os pés;

00h45 – Só então descobrimos que havia outra promoção: comprando uma Killkenny você ganhava mais uma. Oh my god! Finalmente começamos a aproveitar a noite.

01h – O garçom veio avisar que a cozinha estava para fechar e então pedimos nossas porções, ótimas por sinal.

02h – Pagamos a conta, a camiseta e fomos para casa. Afinal, quarta-feira não era dia de santo.

Naquela terça, cheguei a dizer que o pub devia se chamar “Hooligan´s”.  Sinceramente espero que todos tenham sobrevivido ao atendimento maluco e chegado bem em casa. Eu cheguei feliz com minha camiseta da Guinness (5 pints + 20 reais) e uma conta significativa, que também vai servir de lembrança na fatura do cartão. No dia seguinte, estava no Dia de Estrupício, mas ainda quero voltar ao Mulligan, sem a bênção de São Patrício e sem carnaval.

Atualização: Voltei ao Mulligan em junho e tudo mudou. O atendimento foi ótimo. Veja o comentário neste post com 7 dicas de lugares para comer e beber em São Paulo.

%d blogueiros gostam disto: