Bar da cervejaria artesanal Baladin, em Milão

Bar da cervejaria artesanal Baladin, em Milão

Em 14 dias de aventuras pelo Norte da Itália, você come muita massa e bebe muito vinho. É sensacional, claro. Mas na última noite, depois de pirar na megaloja do Eataly, em Milão, e pegar a maior chuva da viagem, dei de cara com um bar da cervejaria Baladin e aí foi só alegria.

Do cardápio, mezzo italiano mezzo alemão, a escolha foi uma porção de apetitosas salsichas variadas (a de cordeiro estava sensacional) com cebola roxa caramelizada e fritas crocantes pra acompanhar. Harmonia perfeita com a Isaac, a cerveja da qual eu não queria me despedir. Depois, descobri que ela é vendida em São Paulo. É cara, mas dá pra matar a saudade, de vez em quando.

Favorita: Isaac, a cerveja de trigo frutada (Witbier) da Baladin

Favorita: Isaac, a cerveja de trigo frutada (Witbier) da Baladin

No dia seguinte, de malas prontas para ir embora, ainda rolou um passeio na catedral de Milão (belíssimo) e o almoço de despedida no Rifugio del Ghiottone, um restaurante simples e honesto, que recebe os trabalhadores das redondezas. O dono, um senhor alto e simpático, circula pelas mesas conversando com os fregueses e aparece em milhares de fotos enquadradas nas paredes com clientes ilustres, aparentemente famosos locais, que visitam seu restaurante.

Porção de salsichas  mistas com cebola roxa caramelizada e fritas, no Pub da cervejaria Baladin

Porção de salsichas mistas com cebola roxa caramelizada e fritas, no Pub da cervejaria Baladin

Com um menu executivo completo (entrada, principal, sobremesa e café) por 13 euros, o restaurante atrai as pessoas que trabalham na área. E enquanto eu esperava o meu penne com aspargos e tomates (leve e delicioso), observei um comportamento interessante: nas duas mesas com grupos de quatro e cinco pessoas, ao meu lado, nada de celular. Era o intervalo de trabalho e nenhum aparelho estava visível sobre a mesa. Ninguém largou o talher e o bate-papo nem para dar uma espiadinha em algum “whatsapp” da vida.

Bom… guardei meu aparelho na hora e me concentrei no prato, um levissimo penne com molho de aspargos e tomates, e saí de lá levando mais uma importante lição dos italianos sobre apreciar la dolce vita.

Baladin Milano
Via Solferino, 56 (Porta Nuova) – Milão, Itália

Eataly
Piazza XXV Aprile, 10 – Milão, Itália

Il Rifugio del Ghiottone
Viale Monte Grappa, 2 – Milão, Itália

Anúncios

Beijo ciao!

dezembro 29, 2010

Nova bottega no Paraíso oferece vinhos, cervejas e petiscos italianos

Quem busca um happy hour ou até jantar gostoso e sossegado pode encontrar abrigo, cerveja, bons vinhos e petiscos italianos no recém-inaugurado “Ciao! Vino & Birra”.

Em uma região tranquila da Rua Tutóia, no bairro do Paraíso, a charmosa ‘bottega italiana’ aberta no fim de novembro é o primeiro projeto de três chefs de cozinha, que acumulam nos aventais experiências variadas – de eventos a cozinhas internacionais.

Rosé chileno da Viña Aquitania (R$ 55) em uma tarde de sábado na varanda

O cardápio, prático, já vem impresso no jogo americano oferecendo entradas, massas e petiscos bem ‘Itália lá em casa’ como o molho pomodoro acompanhado de porção de pão italiano – inspirado do estiloso BottaGallo, dos mesmos donos do Astor, do Original e da pizzaria Brás.

Atendimento simpático, a cargo dos donos (ex-chefs), e preços amigos

O simpático chef Edu, que atende as mesas ao lado dos sócios com muita simpatia, traz passagens por praças como o D.O.M. Restaurante, além de uma temporada de três meses no renomado catalão El Bulli. “Quando me disseram para descascar a pele da noz achei que era trote”, conta ele, relembrando a passagem pela revoluncionária e disciplinada cozinha de Ferran Adrià.

Porção de brusqueta no pão foccacia (R$ 15)

O atendimento é muito amigável assim como os preços. Em minha primeira visita provei a saborosa e bem servida porção de brusqueta com molho pesto em pão foccacia (R$ 15) – eu só trocaria o pão, um tanto alto, para equilibrar. Recomendo as lascas de grana padano (R$ 16), acompanhadas de aceto balsâmico, e as cremosas batatas bravas servidas com estilo em marmita de alumínio.

A carta de vinhos traz rótulos da importadora Zahil como o delicioso rose chileno Aquitania (R$ 55) e o surpreendente nacional Pizzato Chardonnay (R$ 42). A casa também oferece cervejas de garrafa (600ml) e long necks, por enquanto restritas às marcas da Ambev.

Queijos variados (R$ 23) servidos em placa de piso cerâmico. Destaque para o queijo de cabra com fatias de figo desidratado

Na visita mais recente, a Stella Artois de garrafa grande e bem geladinha foi uma boa pedida com a porção de queijos variados (R$ 23), que vale muito a pena. Destaque para o suave queijo de cabra acompanhado de finas fatias de figo desidratado, que agradou a todos. A apresentação também merece nota: os queijos servidos em uma placa de piso cerâmico, segundo Edu, fazem referência ao serviço do El Bulli.

Local sossegado atrai moradores do bairro para happy hour e jantar

No andar superior há um ambiente aconchegante para pequenos eventos. Pode ser uma boa para dar um ‘ciao’ ao ano que vem por aí. Tenha um feliz e saboroso reveillon!

Beijo, ciao e até 2011!

Ciao! Vino & Birra – Rua Tutóia, 451, Paraíso – São Paulo (SP). Tel (11) 2306-3561

Mestres do colarinho branco

setembro 19, 2010

Concurso elege melhor tirador de chope mundial (Foto: Divulgação)

Profissionais dedicados à árdua tarefa de tirar centenas de chopes por dia, no ponto certo, podem ser recompensados com uma saideira em Londres e um prêmio de R$ 3 mil. Esta é a proposta da etapa brasileira do 14º Stella Artois World Draught Masters, para promover a cerveja belga da Ambev.

A competição acontece até o fim de setembro em 30 bares de São Paulo selecionados pela Real Academia do Chopp. O vencedor das categorias de melhor ritual para servir chope e long neck Stella viaja a Londres, acompanhado do dono do estabelecimento, para concorrer com tiradores de chope do mundo todo. O ‘master do colarinho branco’ ganha uma viagem para o destino que quiser – no ano passado, a felizarda foi Avrill Maxwell, da Nova Zelândia. O segundo e o terceiro colocados podem escolher qualquer destino da Europa.

Blogueiros seguem ritual e degustam chope em evento sobre o concurso (Foto: Divulgação)

O pessoal da Ambev promoveu uma degustação, na última terça-feira, para divulgar o concurso, incluindo dicas sobre a forma correta de servir chope e cerveja. Pedro Marques esteve por lá representando o Braun Café e disse que gostou bastante, mas ainda prefere Guinness. Aí é difícil competir…

Dicas de especialistas que podem ser úteis para servir cerveja em casa: limpar o cálice/copo com detergente neutro e deixar secar naturalmente (nada de pano de prato); mergulhar o copo em água gelada para manter a temperatura da bebida; começar a servir a cerveja com o cálice inclinado a 45 graus (movimento natural para a maioria dos botequeiros), sem encostar o gargalo da garrafa na borda do cálice e, finalmente, a “regra inviolável” é manter a altura do colarinho em dois dedos (cerca de 3 centímetros).

Especialista recomenda copo gelado e três centímetros de colarinho (Foto: Divulgação)

Os bares que participam do concurso na categoria chope são All Black, Bar Anhanguera, Bourbon Street, Café Girondino, Catedral, Chácara Santa Cecília, Charles Edward, Ecco, Giardino, Kaá, MyNY Bar, Na Mata Café, SeoRosa, Tatou, Terrasse,Velho Rabo e Veridiana Jardins. No quesito long neck concorrem Assembléia, Bar Astor, Barxaréu, Barnaldo Lucrécia, Boteco Coutinho, Genuíno, Pandoro, Paróquia, Pecorino, Quitandinha Bar, Sagrado Bar e Sky, The Blue Pub.

Ota campeão*
O vencedor da etapa brasileira do 14º World Draught Master foi Ota Gilson de Castro dos Santos, do bar Seo Rosa, de Campinas (SP).

O campeão, Ota Gilson dos Santos: 20 anos de experiência no colarinho

“Em 20 anos de carreira nunca participei de uma competição como esta, que valoriza e capacita a categoria dos tiradores de chope”, disse Santos, em um comunicado da Ambev. Ele já ganhou uma quantia de R$ 3 mil e vai representar o ‘Brazil zil zil’ no campeonato mundial em Londres, no dia 28 de outubro. Vamos torcer!

*Post atualizado em 6/10/2010

Harmonização de dois favoritos: spaghetti a carbonara e a belga Tripel Karmeliet

Resolvi juntar dois sabores favoritos para um desafio de harmonização com cervejas: spaghetti a carbonara e uma belga tipo tripel.

Sinceramente eu nunca pensaria nesta combinação, já que costumo acompanhar massas com vinhos, mas esta foi uma das sugestões da querida Ana Franco quando mencionei minha cerveja preferida. Segundo ela, a belga tipo tripel acompanha muito bem caças (avestruz, codorna, coelho) e massas com molhos gordurosos como pesto e carbonara (oba).

Belga tripel acompanha caças e massas com molhos gordurosos (carbonara, pesto etc.)

Conheci a Tripel Karmeliet, há alguns anos, em uma importadora de cervejas belgas que estava chegando a São Paulo. Enquanto sentia o aroma floral daquela cerveja cremosa, levemente frutada e cítrica, escutava sua história. A receita, que leva três grãos (aveia, cevada e trigo), foi criada por irmãs carmelitas na cidade de Derdemonde – a mais ou menos 30 minutos de carro de Bruxelas – em 1679.

Sim, meu caro leitor, as freiras belgas já conheciam os segredos das geladas há mais de 330 anos e criaram uma bebiba abençoada, além de muito preciosa (comprei uma garrafinha de 330 ml por R$ 19,90 na Adega Tutóia neste experimento).

Desde 1679: receita de freiras carmelitas com aveia, cevada e trigo

Para honrar as carmelitas, preparei a receita tradicional do carbonara (sem creme de leite e com queijo Pecorino), que foi garimpada pelo amigo André Nigri. Ele conta que o nome ‘alla carbonara‘ vem do cozimento em fornos à lenha ou carvão (‘carbon’) usados pelos camponeses dos Apeninos para preparar o molho, originalmente com penne e não spaghetti. Faz sentido. Na próxima vou de penne.

O preparo do carbonara é simples e só tem um segredo: costumo apagar o fogo antes de finalizar a massa com os ovos e queijos. Caso contrário, os ovos podem ficar mexidos e a ideia é que o molho fique fuido e homogêneo – não macarrão com ovos mexidos e nadando no creme de leite como já vi por aí. E o pecorino, uma versão mais leve do parmesão, feito com leite de cabra, faz muita diferença. Nesta receita usei o Pecorino Romano Zarpellon (pedaço de 190 gramas por R$ 14,90 no Pão de Açúcar).

Carbonara clássico com queijo pecorino. Versão original é feita com penne

Carbonara para dois: Enquanto cozinha a massa, refogue pedacinhos de pancetta (ou bacon magro) em cubinhos e um dente de alho inteiro, no azeite, em fogo baixo. Retire o dente de alho e reserve. Acrescente a massa cozida (al dente) ao refogado, ligue o fogo, mexa e desligue. Na sequência, inclua dois ovos bem batidos, uma colher de sopa de parmesão ralado, a mesma medida de pecorino e misture tudo rapidamente. Na hora de servir inclua pimenta do reino moída na hora, mais um pouco de pecorino ralado e manja que te ha benne.

Com a massa pronta chegou a hora do casamento com a tripel. Percebi como o sabor cítrico da cerveja torna o molho até mais leve – embora carbonara esteja bem longe do light – e o frutado predomina sobre os ovos e o pecorino deixando um paladar final feliz e adocicado. É uma degustação com mais harmonia do que contrastes. A junção dos favoritos foi interessante e animadora. Agora quero repetir o teste em uma versão com pesto.

Toque cítrico da cerveja suaviza o carbonara. Harmonização com final feliz e frutado

Esta e outras experiências de harmonização da turma de ‘food bloggers’ ( links abaixo) troxeram algumas revelações: cervejas vão bem com quase tudo (até com brigadeiro, como disse a Ana) e também podem ser opções aos vinhos no inverno.

Este post faz parte do especial Cerveja e Comida – Harmonização de Cerveja Especial, uma iniciativa Bierboxx e Botecagem com curadoria da chef Ana Franco (Cozinha de Ideias). Onde diversos blogs e sites oferecem dicas de harmonizações perfeitas de cervejas especiais, artesanais e importadas com o melhor da gastronomia toda semana. Acompanhe!

Harmonizações já publicadas na série Cerveja e Comida

  1. Harmonização de Colorado Indica e Ceviche Fusion.
    Por Ana Franco. No Blogbier.
  2. Harmonização de Guinness Draught e Costelinha Suína.
    Por Biso. No Botecagem.
  3. Brigadeiro e Cerveja Colorado Demoiselle.
    Por Ana Franco. No Gourmet Update.
  4. Dicas básicas de Harmonização da Abradeg.
    Por Equipe Agradeg. No Blogbier.
  5. A experiência e a memória gastronômica.
    Por Celso Bessa. No Post Its.
  6. Harmonização Fuller’s Honey Dew com Tartar Refrescante.
    Por Leandro Gonçalves. No Cozinha Pequena.
  7. Harmonização de Baden Baden 1999 e Azeitonas em Crosta de Parmesão.
    Por Ana Franco. No Cozinha de Ideias.
  8. Harmonização de Baden Baden Golden Ale com Canapés de Queijo de Cabra e Geléia de Cereja + harmonização com Spaghetti com Frutos do Mar.
    Por Maria Capai, no blog Diga, Maria!
  9. A Loura e a Diaba – Harmonização Costelinha Thai e Steenbrugge Blond.
    Por Letícia Massula, na Cozinha da Matilde.

Próximos Convidados

Se você resolveu cuidar da saúde e perder aquela barriguinha cultivada com muito levantamento de copo, o ideal é correr… para bem longe do boteco.

Sabemos que a tarefa não é fácil. Mais cedo ou mais tarde você vai receber aquele convite irrecusável para uma cervejinha com os amigos. E aí entram as dicas da nutricionista Fabiana Braun*, minha querida irmã, com quem fiz uma entrevista para o Braun Café.

Eis aqui ‘dooouze’ conselhos da especialista para driblar as tentações sem ficar de bico na mesa do bar.

Álcool, o vilão
Beber engorda. Um grama de álcool tem quatro calorias. Imagine uma caipirinha do Veloso (limão, cachaça + açúcar) e esqueça.

Neste quesito, a cerveja (ou ‘pão líquido’) é a bebida que mais colabora para a barriguinha ‘porta-copos’ do botequeiro. Além do álcool, a loira gelada traz a cevada e o malte. Fermentados, estes três amigos fazem a festa em seu abdômen, onde as gorduras armazenadas dos carboidratos (gorduras viscerais) mais gostam de se acomodar. Aquela inocente tulipa de chope tem 84 calorias (a de chope escuro tem 85 cal).

Para enganar a loira
Manere na cervejinha. Peça bebidas com suco de frutas – de preferência naturais – como caju, maracujá ou abacaxi com vodka e sem açúcar (equilibre com adoçante). Outra boa pedida é o Bloody Mary, desde que o barman não carregue muito na dose e nos temperos.

Dois drinks e água gelada
Nada de exagero. Substituir os copos de cerveja pelos sucos com vodka, na mesma proporção, não resolve. Durante a noite peça dois drinks, no máximo, e equilibre cada um com um copo de água gelada, que é absorvida com mais rapidez. “Qualquer tipo de bebida desidrata o organismo”, diz Fabiana.

A mesma dica da água vale para quem não está de dieta. Ela afasta a embriaguez e ressaca do dia seguinte. “Só não ajuda a escapar do bafômetro”, lembra a nutricionista.

Vinho: amigo até a segunda taça
Sem dúvida, de todas as bebidas alcoólicas, o vinho tinto é o que traz mais benefícios à saúde. Isso graças ao Resveratrol, um poderoso antioxidante presente na casca da uva, que melhora a circulação e ajuda a combater o colesterol. Mas lembre-se de beber com moderação: os benefícios valem até a segunda taça (sempre acompanhada de água).

Brancos e rosés não fazem mal à saúde, mas não têm as propriedades dos tintos. Uma taça de vinho branco, bem leve, em um dia quente também é light.

Tchau fritura
A regra número um para manter a forma é evitar porções de frituras e gorduras pesadas no bar. Pastel, batatas fritas, frango à passarinho, provolone ou iscas de peixe à milanesa e calabresa acebolada… nem pensar.

Grelhados e acebolados
Nada de picanha na chapa ou contra-filé. Opte pelos grelhados de carnes magras como frango ou filé mignon (é a carne vermelha mais light que os bares servem), que podem ser acebolados, acompanhando pão francês e só. Pedir lulas grelhadas no lugar da porção de lulas ‘adorei’, por exemplo, também ajuda.

Salada acompanha?
Para enganar a fome e consumir menos pão peça uma porção de salada verde (rúcula é uma boa) para acompanhar o filé aperitivo. O Bar do Sacha oferece a mandioca cozinha. Ótima ideia.

Acepipes bacanas
Na área de frios e acepipes consuma os queijos mais claros (mussarela e queijos com leite de búfala), peito de peru, rosbife, tremosso, babatinhas ao vinagrete e até azeitonas (no máximo seis azeitonas verdes por pessoa, o que não vale para os hipertensos).

Entradas com o pé direito
Entre as opções mais bacanas estão o antepasto de berinjela com pão francês (evite o pão italiano), o carpaccio (peça sem parmesão em com tempero à parte) e a brusqueta tradicional (com tomates, azeite e manjericão).

Sanbubas
É pouco provável que um boteco de verdade tenha um sanduíche de pão integral com peito de peru no cardápio, mas é possível dar um drible nas calorias com um sanduba de peito de frango ou filé mignon (nada de ‘churrasquinho’ na baguete) acebolados ou com vinagrete à parte, sem queijo, ‘na França’.

Beirute e wrap
O rosbife também é legal para rechear sanduíches light – um beirute no estilo do Frevo (pão sírio, rosbife, tomate e mussarela) é uma ótima opção, assim como os wraps (sandubas enrolados no pão sírio ou pita). Só evite recheios com tomate seco, maionese ou muito cream cheese.

Acabou na pizza?
O pessoal resolveu chamar uma redonda? Não se desespere. Peça a sua parte (ou até uma pizza brotinho) com massa fina e sabores como atum, abobrinha, berinjela, brócolis e escarola, sem queijo ou com mussarela de búfala. Neste caso, a marguerita light também vale.

Quer mais dicas para ser um botequeiro saudável? Mande perguntas e comentários ao Braun Café.

*Fabiana Cristine Braun é nutricionista graduada pela Universidade Anhembi-Morumbi, com especialização em Nutrição Clínica Pediátrica e Vigilância Sanitária de Alimentos pela Universidade de São Paulo e pós-graduada em Nutrição Clínica no Grupo de Apoio de Nutrição Enteral e Parenteral (Ganep).

Hooligan´s

março 21, 2009

Foto: www.squidoo.com/guinness-merchandise

Homenagem ao atendimento do Mulligan no Dia de São Patrício. Foto: http://www.squidoo.com/guinness-merchandise

Acho que o Dia de São Patrício é o Carnaval irlandês. Os pubs promovem Guinness a preços especiais, decoram suas casas com trevos, seus atendentes se fantasiam com as cores da bandeira da Irlanda, os clientes lotam os pubs, bebem a valer, ficam alegres e descontrolados.

Estive no pub Mulligan na última terça-feira (17/03), para comemorar o St. Patrick´s Day e tive uma boa idéia do que é uma administração ‘descontrol’. Por não cobrar entrada – ao contrário da maioria dos pubs do Clã Guinness que cobravam R$ 60 para homens com direito a um pint – o estabelecimento aberto há poucos meses atraiu uma clientela significativa até demais.

Após 50 minutos de trânsito na cidade chuvosa, eu só queria beber minha Guinness com o amigo Pedro, atualmente chef do bar Jazz nos Fundos aos sábados (que chique hein ‘Predo’?). Tinha boas recomendações da Silvia Bassi sobre a comida. E realmente o pessoal da cozinha faz um bom trabalho (ótima porção de picantes chicken wings e gostosas batatinhas ‘jacked’ com cream cheese e cheddar), o que salvou a noite. Pena que só conseguimos pedir alguma comida lá por volta da uma da manhã, quando um garçom simpático, veio nos atender. Antes disso, vou listar alguns episódios da noite:

21h – Conseguimos um cantinho no balcão do pub abarrotado e o semi-pint (menos de 400 ml) de Guinness era servido em copos de plástico. Espero seja apenas no St. Patrick´s Day.

22h – Os clientes continuavam a encher o pub. Encontramos um amigo do Pedro em uma mesa no salão inferior. Algum tempo depois, na hora de pagar a conta, os clientes viram que suas mochilas haviam sido furtadas. Sim… elas foram comprar cigarros e nunca mais voltaram… (ainda não sei como a casa resolveu isso);

"Good things come to those who wait". Foto: http://epica-awards.com

"Good things come to those who wait". Foto: http://epica-awards.com

22h15 – A banda começou a tocar música irlandesa no andar de cima e animou o público a bater os pés no chão. Lá embaixo eu via o teto balançar tanto que comecei a rezar para São Patrício. Funcionou e a estrutura da casa é bem forte;

22h30 – O pub resolveu interromper a entrada dos clientes. Formou-se uma fila na porta, que não andava, mesmo após a saída de diversos clientes que também enfrentaram outra fila enorme para pagar;

22h40 – O amigo Renato foi nos encontrar e empacou na fila. Levei uma Guinness para acalmá-lo. Outras pessoas na espera não estavam tão felizes;

22h50 – O trânsito no salão era pior do que o que peguei para ir ao pub. O atendimento do bar não conseguia dar conta. Cheguei a ver um barman tentando abrir uma garrafa de cerveja com uma faca de serra. O cliente então pediu a garrafa e abriu no dente;

23h30 – Acabou a Guinness. Avisaram que teríamos de esperar a reposição, mas a Guinness também foi comprar cigarros e…

00h – As pielsens irlandesas Harp e (Oh my god!) Killkenny estava quentes. Pedi uma Eisenberg, que estava estranhamente salgada;

00h30 – O salão estava vazio e Renato tinha conseguido entrar. Pegamos uma das mesas do pub e ficamos batendo papo. No andar de cima, a banda tocava “Wish you were here” e pessoas bêbadas cantavam junto, desta vez, trançando os pés;

00h45 – Só então descobrimos que havia outra promoção: comprando uma Killkenny você ganhava mais uma. Oh my god! Finalmente começamos a aproveitar a noite.

01h – O garçom veio avisar que a cozinha estava para fechar e então pedimos nossas porções, ótimas por sinal.

02h – Pagamos a conta, a camiseta e fomos para casa. Afinal, quarta-feira não era dia de santo.

Naquela terça, cheguei a dizer que o pub devia se chamar “Hooligan´s”.  Sinceramente espero que todos tenham sobrevivido ao atendimento maluco e chegado bem em casa. Eu cheguei feliz com minha camiseta da Guinness (5 pints + 20 reais) e uma conta significativa, que também vai servir de lembrança na fatura do cartão. No dia seguinte, estava no Dia de Estrupício, mas ainda quero voltar ao Mulligan, sem a bênção de São Patrício e sem carnaval.

Atualização: Voltei ao Mulligan em junho e tudo mudou. O atendimento foi ótimo. Veja o comentário neste post com 7 dicas de lugares para comer e beber em São Paulo.

%d blogueiros gostam disto: