Entrada do Mercado Agrícola de Montevideo, ótimo lugar para passear e descobrir os sabores locais.

Entrada do Mercado Agrícola de Montevidéu, reformado em 2013.

Montevidéu é um destino bem bacana e acessível para passar uma semana de ‘mini férias’ ou um feriado prolongado, por exemplo. Aqui vão algumas dicas de sabores que o Braun Café resgatou de uma deliciosa viagem em outubro de 2013.

A parrilha da Estación Del Puerto, no tradicional Mercado del Puerto.

A parrilha da Estación Del Puerto, no tradicional Mercado del Puerto.

O primeiro sabor da minha memória de Montevidéu é a carne uruguaia, de excelente qualidade e bom preço. No clássico Mercado del Puerto, paramos no balcão da Estación del Puerto para admirar o trabalho do churrasqueiro e já nos acomodamos no balcão. Para beliscar, pedimos uma saborosa linguiça, com pãozinho e cerveja local (Zillertal, se não me engano).

Para duas pessoas, uma opção é o contra-filé com fritas do Estación Del Puerto. Para três, a parrilla vale a pena.

Para duas pessoas, uma opção é o contra-filé com fritas do Estación Del Puerto. Para três, a parrilla vale a pena.

A parrilla clássica, com mix de carnes, pimentões, cebola e batatas na brasa, serve bem três pessoas por um valor equivalente a R$ 90. Como estávamos em dupla, pedimos um suculento contra-filé com fritas e salada, que estava muito bom (as fritas não estavam crocantes. Talvez seja mais negócio pedir a batata assada na brasa).

Banca do Mercado Agrícola de Montevideo. fazendo arte.

Banca do Mercado Agrícola de Montevideo. fazendo arte.

Não deixe de explorar o histórico Mercado Agrícola, que foi todo reformado em 2013 . Você pode ir antes do almoço, ver as bancas de legumes e frutas arrumados em forma de borboleta, as lojas de produtos locais e os empórios com vinhos, doces de leite e suas variações (recomendo a Lapataia).

Interior do Mercado Agrícola, reformado em 2013.

Interior do Mercado Agrícola, reformado em 2013.

Na área de alimentação dá pra fazer uma degustação de cervejas artesanais na Choperia Mastra.

Tour com degustação na vinícola Bouzas, a dez minutos da cidade.

Tour com degustação na vinícola Bouzas, a dez minutos da cidade.

Minha dica mais preciosa é a visita com degustação à Bouza Bodega Boutique, que fica a dez minutos da cidade. Foi o passeio mais legal da viagem.

Coleção de carros e motos antigos da família Bouzas.

Tour passa por uma surpreendente coleção de carros e motos antigos.

A Bouza se denomina uma ‘vinícola boutique’ pela produção em menor escala e pela qualidade. Além de conhecer os vinhedos e a adega, o tour da Bouza ainda passa por uma coleção histórica de carros e motos antigos. No restaurante da vinícola fizemos a degustação de cinco tipos de vinho com pães artesanais, queijos e frios produzidos localmente (sensacional).

O memorável Cocó, em destaque na degustação da vinícola boutique.

Degustação de vinhos com pães, queijos e embutidos feitos no local. 

O mais marcante foi o vinho branco Cocó (em homenagem ao apelido da matriarca da família), feito com uma combinação perfeita de uvas (60% alvarinho e 40% chardonnay). Já alegre com a degustação, você pode comprar o Cocó e outros rótulos da Bouza na lojinha ao lado do restaurante, em pesos uruguaios, e trazer pra casa um sabor memorável das terras uruguaias. Salud!

Bouza Bodega Boutique
Cno. de la Redención, 7658 bis
Tels.: (598) 2323 7491 / 2323 3872
Restaurante: (598) 2323 4030
Montevideo – Uruguay
bouza@bodegabouza.com
visitas@bodegabouza.com
http://www.bodegabouza.com/

Mercado Agrícola
José L. Terra, 2220
Montevideo – Uruguai
https://www.facebook.com/mercadoagricolamontevideo/

Mercado Del Puerto
Rambla 25 de Agosto de 1825 228, 11000
Montevideo – Uruguai
http://mercadodelpuerto.com.uy/

Praga vista da Ponte Carlos sobre o Rio Moldava.

A encantadora Praga vista da Ponte Carlos, sobre o Rio Moldava.

Se existe uma cidade que vai te encantar a cada esquina, posso dizer que é Praga. Outra coisa que vai te surpreender é a coroa tcheca, amiga dos turistas. Me diga onde é que duas pessoas vão jantar um imenso e suculento joelho de porco, tomar cerveja premiada e pagar R$ 47? Só nesse lugar mágico mesmo.

Além de Praga, o Braun Café passou por Viena e Berlim. Veja as outras dicas desta viagem:
Dois banquetes, um doce e um café em Viena
3 lugares para comer bem em Berlim

Almoço na feirinha medieval: lombo de porco na brasa, pão caseiro, chucrute e pepino em conserva. Cerveja artesanal para refrescar.

Almoço na feirinha medieval: lombo de porco na brasa, pão caseiro, chucrute e pepino em conserva. Cerveja artesanal para refrescar.

A cidade ideal é andar a pé, tranquilamente, pela cidade. A única coisa fora do ritmo é a escada rolante do metrô – ela é bem animada. Meu guia foi o podcast do Rick Steves, perfeito para entender o contexto histórico da cidade, conhecer as construções mais interessantes, muitas no belíssimo estilo art nouveau, e encontrar lugares curiosos como a estátua equestre de São Venceslau, na Galeria Lucerna, ou o Museu do Comunismo, que fica entre uma loja do McDonald’s e um cassino.

Estátua equestre de São Venceslau na escondida Galeria Lucerna.

Estátua equestre de São Venceslau, na antiga Galeria Lucerna.

A parada para o almoço foi em uma feirinha medieval perto da Torre da Pólvora. Pedi uma bela fatia de lombo de porco na brasa, acompanhada de chucrute, pepino em conserva e uma fatia de pão caseiro. Para beber, uma deliciosa e refrescante cerveja artesanal. Tudo deve ter custado o equivalente a uns R$ 15.

O desafiador joelho de porco com picles do restaurante Amos.

O desafiador joelho de porco com picles do restaurante Amos.

A culinária local é influenciada pelos tempos do império Austro-Húngaro e tem muitos pratos à base de carne de porco, incluindo o clássico eisbein. Essa foi nossa pedida para o jantar, após um longo dia de caminhada. O lugar escolhido foi o simpático Restaurante Amos, no centro da cidade.

Já espertos com o tamanho das porções, pedimos somente um joelho de porco, acompanhado de picles. E não precisava de mais nada mesmo. Encaramos o delicioso desafio com a companhia da premiada Pilsner Urquell, que você encontra no supermercado local pelo preço de uma cerveja nacional simples [e tem vontade de chorar]. A conta do jantar para dois saiu por R$ 47, com o serviço. O que dizer? Saudade Praga… saudade.

A massa do Trdelník, o doce mais tradicional da cidade.

A massa do Trdelník, o doce mais tradicional da cidade.

Um arrependimento: com tanta fartura não dei conta da sobremesa. Deixei de provar o Trdelník, o doce de massa recheada mais popular de Praga. Que pena. Agora vou ter que voltar.

Amos Restaurant
Masná, 17 – Praga
+420 222 323 933

info@amosrestaurant.cz
Aberto diariamente, das 11h às 23h.

'Gaiamum' cozido com cebola e coentro, no restaurante Guaiamum Gigante, em Boa Viagem

O delicioso guaiamum cozido, no Guaiamum Gigante, em Boa Viagem

Recife é uma cidade cheia de surpresas boas. O caranguejo Guaiamum, aí da foto, é uma delas. De sabor suave, ele é uma das opções do restaurante Guaiamum Gigante, em Boa Viagem, que tem mais dois endereços na cidade. O caranguejo ao leite de coco também é gostoso, mas o “gaiamum”, como dizem os locais, é superior. Vale experimentar também a casquinha de caranguejo, o farto sururu ao coco e o peixe agulha crocante. Ótima pedida depois de pegar uma praia.

Pescada amarela frita da Casa de Banhos vem bem servida para quatro (R$ 45)

Pescada amarela frita da Casa de Banhos vem bem servida para quatro (R$ 45)

Outra dica bacana de almoço é a Casa de Banhos, que fica à beira do Rio Capibaribe. Prove o caldinho de peixe, o doce camarão ao alho e óleo e a pescada amarela frita (acompanha arroz e pirão com legumes e ovo cozido por R$ 45 e serve quatro pessoas). Depois você pode dar uma volta na encantadora Olinda (Cidade Alta) para tomar um sorvete de frutas na Sabor e Arte e, mais tarde, provar uma tapioca ‘cartola’, com queijo, banana e canela, na barraca da Albanita, no Alto da Sé.

Jerimum com peixe ao coco na Oficina do Sabor, em Olinda

Jerimum com peixe ao coco na Oficina do Sabor, em Olinda

Em Olinda tive um delicioso reencontro com a Oficina do Sabor. Estive por lá há 15 anos e nunca me esqueci do jerimum com camarão e lagosta, ao molho de maracujá. Desta vez provei a saborosa e tenra abóbora com peixe ao leite de coco e requeijão (R$84) curtindo uma vista maravilhosa da Cidade Alta. E ainda rolou cortesia: um bolinho de banana bem gostoso para celebrar os 23 anos do restaurante.

Mojito da charmosa creperia Anjo Solto

Mojito com gelo batido da charmosa creperia Anjo Solto, no Pina

Na noite do Recife, uma opção bacana é a charmosa creperia Anjo Solto, que fica na galeria Joana D’Arc, com simpáticas lojinhas, no Pina. Pule as entradinhas e vá direto aos crepes. Gostei muito da versão com presunto parma, gruyère e tomates. Na carta de drinks, o refrescante mojito vem com gelo picado junto com a hortelã.

Delicioso sanduíche de falafel do Bar Central, em forma de porção

Delicioso sanduíche de falafel do Bar Central, em forma de porção

O clássico Bar Central, no centro da cidade, é uma ótima alternativa de happy hour ou fim de noite. E vale explorar a cozinha local, que tem opções vegetarianas como a porção de sanduíches de falafel. Experimentei também o “cachorro-quente de festa” (pão francês e molho de carne moída com um toque de ketchup, mas sem salsicha).

Depois do almoço típico do Parraxaxá, vale provar doces como o pudim de tapioca e a compota de manga com biquinho

Depois do almoço típico do Parraxaxá, vale provar o pudim de tapioca e a compota de manga com pimenta biquinho

Se você procura comida nordestina de raiz, o lugar é o Parraxaxá. O belo buffet por quilo tem tudo do bom e do melhor da região. Escolhi uma carne de sol acebolada, maxixe e favas com legumes, que adoro. Deixe espaço para a mesa de doces. Eles têm um pudim de leite sensacional e um pudim de tapioca bem bom, que provei com compota de manga e pimenta biquinho. Maravilha.

Caldinho do Leandro: caldo de feijão com ovos de codorna e torresmo na praia de Boa Viagem

Caldinho do Leandro com ovos de codorna e torresmo na praia de Boa Viagem

A calorosa Recife também é terra de caldinhos. Tomei caldinho de peixe e feijão em tudo quanto foi lugar. Na Praia de Boa Viagem, prove o Caldinho do Leandro (R$ 5). No de feijão preto, por exemplo, você pode incluir ovo de codorna, torresmo, milho e azeitona. Optei pelos ovinhos e o torresmo. Delícia.

Paço do Frevo e Mercado São José

Entrada do Paço do Frevo, pertinho do Marco Zero, no bairro do Recife

Entrada do Paço do Frevo, pertinho do Marco Zero, no bairro do Recife

No bairro do Recife (centro histórico), visite o museu e espaço cultural Paço do Frevo, que conta a história do “fervo” pernambucano com uma beleza que emociona (deixe o terceiro andar por último).

Feira no entorno do mercado São José, no centro da cidade

Feira no entorno do mercado São José, no centro da cidade

E o fervilhante Mercado São José, também no centro, é um bom lugar para comprar lembrancinhas do artesanato local (incluindo toalhas de mesa e sandálias sertanejas bem bacanas). O Empório Pura Vida, ali do lado, merece uma visita. Compre a deliciosa castanha de cajú local e prove o sanduba de falafel (R$ 15).

Empório Pura Vida é um bom lugar para comprar castanha de cajú e comer sanduba de falafel feito na hora

Empório Pura Vida é um bom lugar para comprar castanhas, temperos e comer sanduba de falafel

Brennand

Uma das instalações a céu aberto na Oficina do renomado Francisco Brennand

Uma das instalações a céu aberto na Oficina de Francisco Brennand

Reserve um dia da viagem para conhecer a Oficina Brennand e o Instituto Ricardo Brennand. São lugares impressionantes e acho que ainda pouco divulgados. Ambos ficam na mesma região, bem longe do centro, e o ideal é ir de carro. Vá primeiro à Oficina, que abre às 8h, e passe a manhã passeando entre as geniais obras a céu aberto do artista Francisco Brennand.

'A Dama e o Cavalo', de Fernando Botero, no Instituto Ricardo Brennand

‘A Dama e o Cavalo’, de Fernando Botero, no Instituto Ricardo Brennand

Depois siga para o Instituto, que abre das 13h às 17h, e mergulhe na Europa. Destaque para a ostentação do Castelo de Armas e as belas esculturas espalhadas pelos jardins. Achei uma reportagem do G1 com 10 dicas de lá, incluindo o bolo de rolo :-). O Instituto tem um restaurante mais requintado, o Castelus, mas não gostei do arroz que acompanhou o peixe (R$ 45, o prato) feito com molho de tomate, tipo ‘risoto anos 80’, mas descrito como arroz pilaf. Melhor ficar nos quitutes da cafeteria.

Carneiros

A histórica Capela de São Sebastião é uma das paradas do passeio de lancha ou catamarã, em Carneiros

A histórica Capela de São Sebastião é uma das paradas do passeio de lancha ou catamarã, em Carneiros

Nem pense em deixar de lado a Praia dos Carneiros. O lugar é um paraíso. Fui até lá com a agência Marlin Turismo (R$ 75, de van) e leva mais ou menos uma hora pra chegar. Faça o passeio de lancha (R$ 45 por pessoa) com a turma do Mário. Além das paradas tradicionais, que incluem a histórica capela São Benedito, piscina natural e banho de argila (a pele fica uma seda), o Mário levou nosso grupo para andar no mangue e dar uma voltinha de jet sky. É pura “esculhambação”, como dizem os pernambucanos.

Caldinho de peixe ao coco e brisa do mar no Bora Bora, em Carneiros

Caldinho de peixe ao coco e brisa do mar no Bora Bora, em Carneiros

A agência Marlin leva os clientes ao restaurante Bora Bora, que é bem bacana, mas os preços são um pouco salgados. Valeu pelo caldinho de peixe com leite de coco (o melhor da viagem). Pedi um prato individual mais simples (R$ 44) de filé de frango com legumes e molhinho de queijo, que estava bem preparado e saboroso. O atendimento foi legal e o lugar tem boa infra, incluindo parquinho e área para soneca.

Café da manhã do Frevo Hostel com cuscuz e banana assada com canela

Café da manhã do Frevo Hostel com cuscuz e banana assada com canela

Por fim, agradeço imensamente às amigas Eliane e Érica Melo, donas do Frevo Praia Hostel, que me receberam com todo o carinho do mundo e me apresentaram muitos lugares gostosos :-). Muito obrigada também à querida Roberta, companheira de redação e diversão nessa cidade linda que é o… “Recife!”

Anjo Solto
Galeria Joana D’arc – Av. Herculano Bandeira, 513 – Pina, Recife – PE
Tel.: (81) 3325-0862

Bar Central
Rua Mamede Simões, 144 – Recife – PE
Tel.: 081 3222-7622

Bora Bora
Praia dos Carneiros – Tamandaré – PE
Tels.: (81) 99164.0673 / 99229.9035 / 99229.9823 / 3676.1482

Casa de Banhos Bar e Restaurante
Av. Brasília Formosa, Recife – PE
Tel.: (81) 3075-8776

Empório Pura Vida
Rua da Praia, 169 – Santo Antônio, Recife – PE
Tel.: (81) 3037-2427

Frevo Praia Hostel
Rua João Cardoso Aíres, 595 – Boa Viagem, Recife – PE
Tel.: (81) 3204-8147

Guaiamum Gigante
Rua Artur Muniz, 82 – Boa Viagem, Recife – PE
Tel.: (81) 3327-1413

Instituto Ricardo Brennand
Alameda Antônio Brennand, s/n – São João – Várzea, Recife – PE
Tel.: (81) 2121-0352

Mário Tur
Passeios de lancha na Praia dos Carneiros
Tels.: (81) 98852-0451 / 99687-8580

Mercado São José
Praça Dom Vital, s/n – São José, Recife – PE

Oficina Brennand
Propriedade Santos Cosme e Damião, s/n, Várzea, Recife – PE
Tel.: (81) 3271.2466

Oficina do Sabor
Rua do Amparo, 335 – Cidade Alta, Olinda – PE
Tel.: (81) 3429-3331

Paço do Frevo
Rua da Guia, s.n. – Recife – PE
(81) 3355-9500

Parraxaxá
Av. Fernando Simões Barbosa, 1200 – Boa Viagem, Recife – PE | Tel.: (81) 3463-7874
Rua Igarassu, 40 – Casa Forte, Recife – PE  Tel.: (81) 3268-4169

Sorveteria Sabor e Arte
Rua do Amparo, 186 – Olinda – PE
Tel.: (81) 3025-3907

Bar da cervejaria artesanal Baladin, em Milão

Bar da cervejaria artesanal Baladin, em Milão

Em 14 dias de aventuras pelo Norte da Itália, você come muita massa e bebe muito vinho. É sensacional, claro. Mas na última noite, depois de pirar na megaloja do Eataly, em Milão, e pegar a maior chuva da viagem, dei de cara com um bar da cervejaria Baladin e aí foi só alegria.

Do cardápio, mezzo italiano mezzo alemão, a escolha foi uma porção de apetitosas salsichas variadas (a de cordeiro estava sensacional) com cebola roxa caramelizada e fritas crocantes pra acompanhar. Harmonia perfeita com a Isaac, a cerveja da qual eu não queria me despedir. Depois, descobri que ela é vendida em São Paulo. É cara, mas dá pra matar a saudade, de vez em quando.

Favorita: Isaac, a cerveja de trigo frutada (Witbier) da Baladin

Favorita: Isaac, a cerveja de trigo frutada (Witbier) da Baladin

No dia seguinte, de malas prontas para ir embora, ainda rolou um passeio na catedral de Milão (belíssimo) e o almoço de despedida no Rifugio del Ghiottone, um restaurante simples e honesto, que recebe os trabalhadores das redondezas. O dono, um senhor alto e simpático, circula pelas mesas conversando com os fregueses e aparece em milhares de fotos enquadradas nas paredes com clientes ilustres, aparentemente famosos locais, que visitam seu restaurante.

Porção de salsichas  mistas com cebola roxa caramelizada e fritas, no Pub da cervejaria Baladin

Porção de salsichas mistas com cebola roxa caramelizada e fritas, no Pub da cervejaria Baladin

Com um menu executivo completo (entrada, principal, sobremesa e café) por 13 euros, o restaurante atrai as pessoas que trabalham na área. E enquanto eu esperava o meu penne com aspargos e tomates (leve e delicioso), observei um comportamento interessante: nas duas mesas com grupos de quatro e cinco pessoas, ao meu lado, nada de celular. Era o intervalo de trabalho e nenhum aparelho estava visível sobre a mesa. Ninguém largou o talher e o bate-papo nem para dar uma espiadinha em algum “whatsapp” da vida.

Bom… guardei meu aparelho na hora e me concentrei no prato, um levissimo penne com molho de aspargos e tomates, e saí de lá levando mais uma importante lição dos italianos sobre apreciar la dolce vita.

Baladin Milano
Via Solferino, 56 (Porta Nuova) – Milão, Itália

Eataly
Piazza XXV Aprile, 10 – Milão, Itália

Il Rifugio del Ghiottone
Viale Monte Grappa, 2 – Milão, Itália

A terapia da mão na massa

janeiro 21, 2012

Terapia culinária: curso de massas 'La Vera Pasta' no Orbacco Espaço Gastronômico

Preparar massas caseiras e transformá-las em capeletti, tortelli ou ravioli é uma deliciosa arte, além de ser uma ótima terapia. Este foi meu principal aprendizado após participar do curso “La Vera Pasta“, no Orbacco Espaço Gastronômico.

“A tavola non si invecchia” (“Na mesa não se envelhece”) é o lema da casa, no bairro do Sumarezinho, onde o simpático casal Luis Felipe Calmon e Adriana Ferreira exercem a paixão pela culinária. Os cursos oferecidos em um salão amplo, no andar superior, incluem harmonização de azeites, vinhos, preparação de risotos, massas etc. Leia o resto deste post »

AK: Frango Confit com repolho roxo agridoce e batata bolinha. Foto: Arquivo São Paulo Restaurant Week (SPRW)/Agosto 2010

Na segunda temporada de 2010 da São Paulo Restaurant Week, que começa nesta segunda-feira (30/8) e vai até 12 de setembro, o preço do almoço promocional (entrada + prato principal + sobremesa) aumentou de R$ 27,50 para R$ 29, além da doação de R$ 1 opcional à Ação Criança. Já o jantar teve seu valor mantido em R$ 39 + R$ 1 de doação.

Limonn: Saint Pierre com pomodorine, alcachofra e arroz negro

Limonn: Saint Pierre com pomodorine, alcachofra e arroz negro. Opções: Fraldinha flambada na cachaça com batatas à provençal ou Risotto de quatro cogumelos com queijo ementhal Foto: Arquivo SPRW

Como dizem os economistas “não existe almoço grátis”. A @RestaurantWeek_ já vinha mantendo os R$ 27,50 há algumas temporadas e resolveu reajustar. O negócio é aplicar seus preciosos R$ 30 em um lugar com cardápio interessante. Afinal, como já comentei antes, penne à bolonhesa e hambúrguer a gente pode comer em casa ou gastando bem menos.

Seraphini (só jantar): Pescado ao molho de frutos do mar guarnecido por couscous italiano amanteigado com vegetais. Foto: Arquivo SPRW

Nesta segunda temporada da iniciativa a lista de restaurantes aumentou de 200 para 210, mas senti falta de alguns lugares bacanas como Brasil a gosto e Cordel da Vila, que foram muito elogiados em outras edições e não tive a oportunidade de conhecer ainda. O Cordel, segundo minha amiga Cecília, companheira de Restaurant Week, dá para encarar fora da promoção.

Sobremesa do AK: Mousse Moccachino com chantilly de canela e ovomaltine. Foto: Arquivo SPRW

Este ano, inclusive, Cecília ganhou um voucher da organização do evento e vamos ao Osteria sem pagar o almoço. Neste caso, abriremos uma exceção à teoria do almoço grátis, mas teremos de pagar os 10% pela bebida, que pode até ser um vinho mais bacana para compensar. Aliás, sempre inclua os 10% na sua contabilidade durante o evento.

Galeto com polenta aromática, ragú de paris e agriãozinho. Foto: Luis Simione/Arquivo SPRW

Aos vegetarianos, a boa notícia é que muitos restaurantes se preocuparam em oferecem opções em carne e há também o Apfel, um bom representante do ramo, que volta nesta temporada com um menu apetitoso até aos que não têm restrições alimentares.

Obá: Burrito de frijoles ao estilo do norte do méxico. Opção: Enroladinho mar e terra da jôse de boipeba. Foto: Arquivo SPRW

Entre os integrantes da Restaurant Week, que você pode experimentar sem erro, recomendo o AK Delicatessen, que sempre traz um menu criativo e delicioso na linha judaica contemporânea, e o Obá, que faz uma fusão entre culinária asiática, brasileira e mexicana, e cujos donos fazem parte da organização do evento.  Tive uma ótima experiência também com os sabores tailandeses do Marakuthai. Agora estou de olho no Lola Bistrô no Don Carlini.

As dicas quentes de leitores e amigos, que continuam nesta sétima temporada, incluem Caroline, Emprestado, Limonn, Seraphini e Vinheria Percussi.  Já o Roux Bistrô deixou a desejar, no começo do ano.

Lola Bistrô: Brandade de bacalhau com purê de salsa francesa, castanha e tapenade. Opção: Cordeiro braseado com polenta mole, cogumelo crocante e pimenta biquinho. Foto: Rafael Wainberg/Arquivo SPRW

Na sexta temporada também estive no Ají com a Ciça, querida ‘restaurant friend’, e no Le French Bazar (saiba mais sobre eles no toast ‘O Bazar do Francês‘). O primeiro mandou muito bem na entrada com um ótimo escondidinho de tilápia, mas as opções de prato principal não eram tão incríveis e o creme brulèe de maracujá com gosto de ovos decepcionou. Já o simpático bistrô, cuja reserva me foi ‘emprestada’ pela Cris Sato, serviu um excelente ragú de costela com polenta. Só não gostei da relação custo x benefício do couvert (R$ 7 por pessoa por uma cesta de pães simples, patê de fois e manteiga).

Opção de entrada do Marakuthai - Salada de cuscus marroquino com hortalicas e castanhas. Foto: Arquivo SPRW

Recomendações

No toast da primeira temporada da Restaurant Week 2010, você também encontra comentários sobre restaurantes visitados, mas volto a repetir algumas dicas que considero importantes para sua felicidade gastronômica.

– Reserve e seja pontual
São Paulo é a capital mundial da gastronomia e há muitas pessoas como nós que também querem aproveitar uma semana promocional para experimentar restaurantes caros e concorridos. Telefone com antecedência, faça sua reserva, confirme no dia e chegue pontualmente. Caso contrário, prepare-se para enfrentar horas de espera.

– Os 10%
O menu é promocional, mas a taxa de serviço não. É importante considerar os 10% sobre os R$ 30 do almoço ou os R$ 40 do jantar e as bebidas. Se for compensar com um vinho mais caro, lembre-se da taxa.

– A pegadinha do couvert
No caso do couvert, que geralmente é servido sem que o cliente peça, uma dica é perguntar se é cortesia da casa, já que estão lhe ‘oferecendo’. Outra recomendação é checar se a oferta vai valer a pena. No caso do French Bazar achei que não valia R$ 7 por pessoa. Já no AK (veja as fotos do couvert), você pode se deliciar com pães caseiros macios e três patês (saladinha de ovos, pepino no iogurte com dill e patê de fígado de galinha) por R$ 12 (pode pedir para uma pessoa e dividir que é bem servido).

– Restaurant executivo
Muitos participantes da Restaurant Week oferecem ótimas opções de almoço executivo com preços acessíveis e até inferiores aos da quinzena promocional. No caso do Oggi, por exemplo, pode ser mais jogo almoçar por R$ 31 no Buffet completo do que entrar na promoção. Se você tem horário flexível ou trabalha perto de lugares como o Seraphini, nos Jardins, ou o AK, na Consolação, vai se surpreender com as opções acessíveis e incrementadas do almoço executivo, sem data para acabar.

– Deguste comentários antes e opine depois
Minha recomendação final é que você procure ler comentários dos restaurantes que deseja experimentar. Aqui no Braun Café muita gente já mudou minha rota na Restaurant Week e deixei de pagar micos. E depois de ter uma ótima ou terrível experiência em um dos participantes, sua boa ação será compartilhar as dicas com outras pessoas na rede. Espero seu comentário!

Próximos destinos
Depois de São Paulo, a Restaurant Week passa por Belo Horizonte (20 de setembro a 3 de outubro), Curitiba (27 de setembro a 10 de outubro), Rio de Janeiro (18 a 31 de outubro) e Recife (15 a 28 de novembro). Há previsão, ainda não confirmada, para Porto Alegre (de 4 a 17 de outubro) e Salvador (22 de novembro a 5 de dezembro).

%d blogueiros gostam disto: