Antipasti, primi piatti, secondi piatti…

junho 12, 2011

Primeiro prato na Itália: spaghetti a matriciana do Taverna St. Anna

Na Itália se ‘mangia’ bem e muito. No país que defende o ‘slow food’, uma refeição completa consiste em antepasto (frios, queijos etc.), primeiro prato (massa ou risoto), segundo prato (carnes, aves, peixes) com acompanhamentos (‘contorni’) à parte, salada, sobremesa (‘dolci’) e um café expresso (sempre curto).  É um desafio.

O Braun Café volta à ativa após 22 dias pela Itália, passando por dez cidades, com muitas dicas e sabores inesquecíveis na memória, mas tenho de confessar que não consegui fazer a refeição italiana 100% completa em nenhum restaurante (e eu como bastante… Pode acreditar). Veja também o toast de Siena.

Fetuccine Da Neroni (ovos, cogumelos, presunto e ervilha) e meio litro de vinho branco da casa. Boa pedida ao lado do Coliseu.

Vamos degustar as dicas por partes e cidades. No Flickr do Braun Café você pode acompanhar fotos de todos os sabores da viagem, mas aqui vou destacar os lugares mais especiais e fazer algumas recomendações. Vamos a elas:

Reserva: assim como você, os turistas saem dos seus passeios mortos de fome em busca de um bom lugar para comer ou de uma comida barata. Se quiser garantir o seu lugar em um restaurante especial, chegue bem cedo ou ligue antes e faça uma reserva (‘prenotazione’).

Gelatto de pistache e chocolate ao lado da Fontava de Trevi

Couvert: muitos restaurantes cobram o ‘coperto’, que custa 3 euros por pessoa, em média, e vale como uma taxa de serviço. Nesses locais, você não pode dispensar o couvert como faz no Brasil. O negócio é engolir o coperto, que geralmente compreende uma cestinha de pão e grissinis industrializados. Peça um ‘burro’ (manteiga) ou óleo de oliva e tudo ficará bem.

Vinho da casa: ficou perdido na carta de vinhos? Quer uma opção mais em conta? Peça o vinho da casa. Geralmente é um vinho simples, leve e uma jarra de meio litro custa 4 euros (para duas pessoas). Sai mais barato do que Coca-Cola ou suco. Se for apostar nos rótulos, as garrafas inteiras saem de 10 a 20 euros. Prepare-se para tomar vinho todo santo dia.

Pizza especial do Mamma Mia: muzzarela, beringela, espinafre, cogumelos e 'salsiccia'. É feia, mas a massa é fina e o sabor é bom

Pizza: sim… é verdade que a pizza paulistana é melhor, mas a italiana não é tão ruim assim. Para quem gosta de massa fininha e crocante, a pizza (sempre individual) é uma boa pedida, além de ser em conta. A redonda, de tamanho equivalente ao de uma pizza média daqui, custa de 6 a 8 euros e você pode até dividir se não estiver com tanta fome.  Mas a melhor pizza que comi na Itália foi em pedaço, em Veneza. Aguarde pelos próximos toasts.

Pão: O pão na Itália, especialmente em Roma, é uma dureza e sem sal. Na padaria de um supermercado romano, um vendedor cortava um pedaço do pão de cada dia para o cliente como se estivesse serrando um pedaço de madeira. A roseta romana também não era muito diferente. Só com muito presunto cru e azeite para encarar.

Mesmo com tantas opções de vinho, uma pilsen Peroni, Birra Moretti ou Nastro Azurro vai muito bem nos dias quentes.

Gelatto: O sorvete é sempre uma alegria na Itália. Em uma das tardes quentes de Roma, ao redor da Fontana de Trevi provei meu primeiro gelatto e não parei mais. Acredito que não exista sorvete ruim na Itália, mas há locais mais concorridos como a Giolitti. E aqui empresto a dica do meu amigo Paulo, que morou na Itália e é apaixonado pelos gelatti: “Gelato na gelateria San Geminiano, ao lado/frente da Fontana di Trevi. Tudo è 100% natural e a vendedora era brasileira. Aproveita para provar vários!”

Quem tem boca (e dentes fortes para comer o pão) vai a Roma e é por lá que começamos nossa viagem. Nossa primeira parada foi o simpático Taverna St. Anna, vizinho do hotel, a dois quarteirões da estação Manzoni do metrô. O spaghetti bem al dente com saboroso molho à matriciana, acompanhado do ‘vino rosso’ da casa foi um inesquecível ‘primi piatti’.

Muitas vezes ficamos satisfeitos com o antepasto e o primeiro prato. No geral a conta saía 30 euros para dois, com as bebidas e o café. Outra opção é pedir um primeiro prato e um segundo (carnes) e dividir.  Você faz a regra (exceto pelo coperto que é obrigatório).

Vinho rosé da casa no ótimo Tratoria Alle Fratte Di Trastevere

Entre muitas andanças por Roma, acabamos por optar por restaurantes da vizinhança. O Mamma Mia, por exemplo,   me surpreendeu com o ótimo cordeiro assado com batatas, além de divertidos papos com o garçom sírio e o proprietário egípcio. ‘Tutti buona gente’.

Em uma pausa para o almoço, após a visita ao Coliseu, fugimos das barraquinhas de lanches caros e duvidosos e descobrimos o Ostaria da Nerone, logo ali na área. A casa oferece boas opções de primi piatti como o Fetuccine da Neroni com molho de ovos, cogumelos, presunto, ervilhas.

Risoto de alcachofra e camarão do Trastevere. Parei no primi piatti.

O destaque de Roma ficou para o penúltimo dia, quando segui a preciosa dica de um brasileiro bom de garfo, em Trastevere. O bairro atrai muitos locais e turistas, fazendo fila nas portas de algumas cantinas que pareciam bem interessantes e rola um agito noturno legal na praça.

Anote este nome: Tratoria Alle Frate Di Trastevere. Um lugar bacana, com ótima comida e bons preços. O local estava cheio e não fiz reserva, mas a espera foi curta e agradável com uma taça de vinho branco da casa.

O restaurante oferece diversas opções de bruschetta. Provei a versão com creme de fungui, que estava boa, mas acho que a de tomates deve ser ainda melhor. Apostei no rosé da casa (mezzo litro) e em um excelente risoto de alcachofra com camarões, muito bem servido. O Dexter foi de penne ao molho de salmão e vodka (muito bom).

Um belo tiramisù na despedida de Roma

No fim, não resisti ao ‘dolci’ e provei um pedaço generoso de tiramisù. Incluindo uma caneca de cerveja grande, meia água e um café para encerrar, a conta saiu por 35 euros muito bem gastos. Na volta, de táxi, ainda passamos pelo Coliseu iluminado. Uma bela despedida de Roma, antes de partirmos para a maravilhosa Toscana, que fica para o próximo ‘toast’.

Alle Fratte Di Trastevere Via Delle Fratte Di Trastevere, 49 – Roma. Tel.: +39-06-58-35-775

Mamma Mia –
Viale Manzoni, 52/54 – Roma.  Tel.: +39-06-44-54-720

Ostaria da Nerone – Via Delle Terme Di Tito, 96 (ao lado do Coliseu) – Roma. Tel.: +39-06-48-17-952

Taverna St. Anna – Viale Manzoni, 107 – Roma. Tel.: 339-47-80-745

6 Responses to “Antipasti, primi piatti, secondi piatti…”


  1. Hummm…delícia !!! Parabéns Dani….Beijos

    Curtir

  2. Find & Eat Says:

    Que delícia, Dani! Ótima dica, ótimo post! Beijos!

    Curtir


  3. […] é uma encantadora cidade medieval na Toscana. Depois do agito de Roma, pegamos o trem para lá e a ideia inicial era ficar um dia, seguindo viagem por outras […]

    Curtir

  4. Laudo Paroni Says:

    Desculpe, mas não poderei concordar jamais que a pizza paulistana seja melhor do que a italiana. A pizza italiana é sensacional, e prova que não há necessidade de um exagero de recheio (cobertura). Nossa saúde agradece.

    PS – sou paulistano “da gema”.

    Curtir


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: