Vietnã sem frescuras

novembro 17, 2019

O salão principal do Bánh Mi Vietnam traz os recados da casa: “sem frescuras”.

Quando você entrar no sobrado sem placa da Rua Dr. Seng, número 44, terá o prazer de conhecer a acolhedora e deliciosa cozinha vietnamita do Bánh Mì Vietnam onde “se faz se come como no Vietnã, sem adaptações”, diz um dos recados na parede da casa adaptada para o restaurante.

Importante reservar aos sábados porque há poucas mesas – contei menos de dez – que lotam rapidamente nos quatro cantinhos da casa. Vale tentar uma mesa no quintal cheio de plantas e almoçar ao ar livre cercado de verde. Eu cheguei cedo e dei sorte. Mesmo sem reservas logo me acomodaram em uma mesinha com sofá.

A entrada oficial da casa é o Goi Cuon, rolinho de ervas aromáticas, cenoura, pepino, macarrão de arroz e carne de porco bem fininha, enroladinhos no finíssimo papel de arroz. A regra é comer com as mãos, sem frescura. “A única frescura que se permite nessa casa é da comida”, diz outro recadinho. Os molhinhos de amendoim e de pimenta dão mais uma graça a essa refrescante entrada que também tem uma versão de carne de porco e camarão e outra de shimeji. (Um por R$ 12 e quatro por R$ 36).

Pho Bo: o tradicional caldo vietnamita que você finaliza do seu jeito.

Seguindo para o principal, vou te contar que há anos tenho vontade de provar o autêntico caldo vietnamita Pho Bo, desde quando assistia o saudoso Anthony Bourdain em uma de suas viagens ao Vietnã. O momento chegou. Pedi uma cervejinha e fiquei esperando meu caldo perfumado com sete especiarias, fatias de carne bovina, broto de feijão e talharim de arroz que chegou fumegante à minha mesinha (a versão vegana é o Bun Chay com tofu e shimeji). A versão pequena, com menos macarrão, sai por R$ 34 e é de bom tamanho. A grande custa R$ 39.

Um dos sócios – são dois argentinos e um franco-vietnamita – me explicou com todo o carinho como provar o Pho: Primeiro você tempera o caldo ao seu gosto com folhas frescas (coentro, hortelã e manjericão) servidas separadamente e espreme um quarto de limão. Se quiser incluir Sriracha para apimentar “vai ficar beeem potente”, disse o anfitrião – fica potente mesmo então recomendo pegar leve. Enfim, posso dizer que essa é daquelas comidas que te abraçam, com muito sabor. Traz paz e felicidade.

Para finalizar, pulei a sobremesa e fui direto ao café da casa, o Cà Phé Sua Dá, perfeito para o momento de serenidade pós Pho Bo. O coador vietnamita vai liberando o café em gotinhas, lentamente, sobre uma boa dose de leite condensado. Aguarde. Depois pessoal traz pedras de gelo e você termina de preparar a bebida perfeita para fechar o almoço.

A conta, com duas long necks, saiu por R$ 72 muito bem pagos. Já quero voltar logo para provar os sandubas e o drink Coc-Tai Dua Ót com pimenta, vodka, coentro, limão e pepino. Que delí!

Bánh Mi Vietnam
Rua Dr. Seng, 44 – Bela Vista
Reservas: (11) 97754-1856
Quartas, quintas e sextas-feiras das 12h às 16h e das 18h às 22h.
Sábados somente com reservas das 13h às 16h e das 19h às 22h.

Insta: https://www.instagram.com/banhmisp/
Face: https://www.facebook.com/BanhMiSP/

Veggie chic

setembro 8, 2019

O Teva é o tipo de restaurante que eleva a categoria dos vegetarianos e veganos. Superagradável, com pratos bem elaborados e bons drinks – com e sem álcool – é aquele restaurante para relaxar e esquecer do tempo. Nada contra os buffets e quilos – aliás conheço alguns ótimos, mas acredito que sera legal também ver lugares assim com cara de fim de semana.

Minha irmã me apresentou o restaurante em um sábado para um almoço delicioso. O Teva nasceu no Rio trazendo influências da culinárias asiática e europeia e abriu sua filial paulistana em este ano em Pinheiros. Chegamos antes das 13h e vale chegar cedo porque a casa ficou cheia rapidinho.

Difícil ver drinks alcoólicos em vegetarianos. No Teva você pode escolher uma taça de vinho, um Negroni ou um drink autoral tranquilamente. Mas se a sua pegada for álcool free, recomendo o Fresa, um dos três coquetéis sem álcool da casa (R$ 22), que leva morango, ginger ale, limão e uma deliciosa espuma de gengibre.

A Couve-flor Manchurian, que me deixou curiosa desde que vi a foto no Instagram, é realmente imperdível. Sempre achei que couve-flor nasceu pra ser feita à milanesa, ainda mais com esse molho indo-chinês meio picante a base de shoyu, cebola e pimentão picadinhos (R$ 36). Caso você não morra de amores por essa simpática hortaliça, essa é a chance de mudar de ideia.

Ainda na pegada asiática, recomendo o Pad Thai (R$ 46) um clássico tailandês que leva tofu empanado no lugar das carnes, macarrão de arroz, legumes, broto de feijão, amendoim e molho de tamarindo que traz aquele agridoce característico do prato e ficou fantástico. A carne não fez falta, sinceramente.

Minha pedida foi para o lado italiano e optei pelo reconfortante Ragú de Cogumelos (um mix de Portobello, shitake e hiratake) ao vinho com polenta de painço e parmesão de tremoso (R$ 58). 

As porções, aliás, são generosas, mas não deixei a sobremesa para outra vez. Vale dividir o Crème Brûlée de Maracujá (R$ 28) para encerrar a refeição perfeita e já ficar com vontade de voltar.

O Teva está aberto todos os dias para almoço, das 12h às 16h, e jantar, das 18h à meia-noite.  Somente nos domingos ele fecha um pouquinho mais cedo, às 22h. Durante a semana na hora do almoço a casa também oferece o menu com entrada, prato e sobremesa por um preço fixo mais interessante (R$ 58). E o Pad Thai está entre as opções do menu fixo.

Teva
Rua Cônego Eugenio Leite , 539
Pinheiros – São Paulo
Tel.: (11) 3062-8752

Comida popular japonesa

janeiro 27, 2019

img_1792Comidinhas muito encontradas nas ruas do Japão, o takoyaki, um bolinho cremoso recheado de polvo, e okonomiyaki, uma espécie de panqueca com repolho e recheios, são as especialidades do Yu Yatai. O pequeno e simpático restaurante começou circulando seu food truck (yatai) pela cidade e depois abriu seu espaço pertinho do metrô Praça da Árvore. A dica veio do amigo Edgar, que nos levou para conhecer esses quitutes da culinária popular japonesa.
img_1791A porção de bolinhos vem pelando em uma chapa quente. Por cima, um toque de maionese, molho especial – sim, é isso mesmo – e katsuobushi, raspas ‘dançantes’ de peixe seco, que ficam se movimentando com o vapor da comida. Para acompanhar, você pode pedir uma cerveja japonesa Orion, feita em Okinawa (R$ 19,80) ou uma das criações artesanais da Japas Cervejaria, com jasmin ou wasabi (R$ 17,90 cada).
img_1787Fora o takoyaki original, a casa serve versões com recheios de shimeji, camarão ou queijo. A chapa com dez unidades custa R$ 26. Gostei do takoyaki, mas o que conquistou a turma na mesa foi o okonomiyaki. Essa espécie de panqueca japonesa vem recheada de repolho, cebolinha gengibre e fatias de bacon (hummm…). Esse é o básico e aí você escolhe os recheios especiais.
img_1793Provamos as panquecas com carne de porco desfiada (R$ 24) e vegetariana (R$ 24) recheada de abóbora kabocha. Ambas vem servidas com molho, maionese e um toque artístico estilo ‘cappuccino de barista’. A versão com carne de porco também leva as raspinhas de peixe dançantes por cima. Muito gostosa.
milanesaO lugar é uma boa pedida tanto para dividir porções com os amigos como para jantar já que o cardápio oferece uma boa variedade de pratos completos, no estilo teishoku. Pedimos o saboroso e bem servido Tonkatsu Teishoku com milanesa de porco, gohan, missoshiru e raiz de bardana temperadinha (R$ 25,50).
karaagueVocê também pode pedir uma entrada e um teishoku, se preferir. Entre as opções para abrir o apetite estão porções de guiosa, shimeji na manteiga, kimchi (conserva de acelga picante que vai bem com carnes ou sozinha mesmo) entre outras. Pedimos o frango frito crocante, o karaage (R$ 18), mas achamos crocante demais. Geralmente esse estilo tem uma crosta mais fininha.

Valeu muito a pena conhecer Yu Yatai. Saímos de lá bem satisfeitos e felizes em explorar outros sabores da culinária japonesa. O restaurante também tem delivery e o yatai continua circulando por aí. Vale dar uma olhada na agenda do food truck no site.

Yu Yatai
Rua das Rosas, 52 – Miradópolis (Metrô praça da Árvore)
Tel.: (11) 5587-4530
São Paulo – SP

Almoço à grega

fevereiro 18, 2018

Kouzina: comida grega nos Jardins com preços amigáveis.

Tá calor? Vá de culinária mediterrânea. Minha dica no modo verão é almoçar no Kouzina, um simpático restaurante grego na esquina da Rua Peixoto Gomide com a Alameda  Lorena, nos Jardins. O ambiente todo pintado de branco imita as casinhas de Plaka, um pitoresco bairro de Atenas. Apesar do nome, no Kouzina você não precisa fazer o prato na cozinha, como no tradicional Acrópolis, no Bom Retiro. Mas se for almoçar mais tarde, no fim de semana, prepare-se para uma certa fila de espera.

A colorida salada grega cheia de frescor e sabores (R$ 30).

Para entrar no clima, você pode começar com uma salada grega. A combinação colorida e saborosa traz pimentão amarelo, pepinos, cebola roxa, tomatinhos, queijo feta e azeitonas gregas (R$ 30). Como não amar?

Tzatziki (iogurte com pepino) e pão pita quentinho.

Outra boa pedida é o Tzatziki – o nome é complexo, mas a mistura de iogurte com pepino é simples e perfeita (R$ 15). Vai bem com o pão pita, que vem quentinho da chapa (R$ 8 cada) e uma taça de vinho rosé (R$ 29).

Prato do dia: Spaghetti com lulas à provençal (R$ 36). Não deixe de perguntar.

Vale perguntar qual é o prato do dia. No sábado em que estive lá, o spaghetti com lulas à provençal e um toque de vinho branco (R$ 36) estava ótimo. A berinjela tostada com tomate em cubinhos e alho por cima (R$ 24 ) também valeu a pena. Nas próximas visitas ainda quero explorar outras especialidades, incluindo a clássica moussaka.

Café grego (R$ 9) para quem aprecia a bebida sem ser coada.

Na hora do café, recomendo que você opte pelo expresso normal. O café dos gregos (R$ 9) vem com o pó de presente. É servido sem coar mesmo. O ritual é bacana, a foto ficou bonita, mas essa foi minha segunda tentativa de tomar café grego e não rolou.

Kouzina
Rua Peixoto Gomide, 1.710 – Jardins, São Paulo – SP
Tel.: (11) 2935-0888
https://pt-br.facebook.com/Kouzinamyk/

Piadina de bom gosto

maio 28, 2017

Piadina de rosbife com cebolas caramelizadas do Via Emilia, em Pinheiros.

Encontrei um lugarzinho legal para comer piadinha, em Pinheiros. O Via Emilia, pertinho da estação Fradique Coutinho, oferece diversas opções de recheio para o lanche de massa fina e crocante feito na hora, com bons preços.

Ao chegar na piadineria, uma lambreta embaixo do piso de vidro já te transporta para a Itália. Entre as opções de entrada você encontra clássicos como os bolinhos arancini, bruschettas e porções de frios.

Se quiser ir direto ao ponto, a piadina é bem servida e acompanha salada verde ou chips de raízes (mandioquinha, batata doce etc.). Como adoro a piadina de rosbife da Piadina Romagnola, resolvi fazer uma comparação. A versão do Via Emilia leva cebolas caramelizadas, que dão um toque adocicado ao lanche, e folhas de rúcula frescas. Bem saboroso.

Café gostoso no estilo italiano após o almoço.

O cardápio tem mais de 20 opções de piadinas, que levam os nomes de cidades da Emilia-Romagna, de onde vem a receita. Os recheios vão do presunto de parma a versões abrasileiradas com linguiça ou costela. Também há opções para os vegetarianos e versões doces, mas não sou muita chegada. Os preços ficam entre R$ 28 e R$ 32.

A piadina é tradicional da cozinha romagnola, da região da Emilia-Romagna. Por lá, o lanche não custa mais do que 5 euros – ótima opção para os turistas também. Dizem que a receita veio dos romanos, inspirados nos povos do Oriente Médio. Por isso, se um recheio de rosbife com queijo e tomate trouxer um beirute à memória, não deve ser coincidência. Mas o importante é que piadina é uma delícia e vai te fazer sorrir.

Via Emilia
Rua dos Pinheiros, 537
Tel.: (11) 3062-2437
http://www.viaemiliapiadineria.com/

%d blogueiros gostam disto: