Medalhões de peito de frango com batatinhas e cogumelos puxados no azeite do português A Tasca da Esquina (Foto: Ciça Aidar)

Peito de frango com batatas e cogumelos puxados no azeite do português A Tasca da Esquina (Foto: Ciça Aidar)

A quinzena promocional de restaurantes que chegou ao país em 2007 e inspirou outras “Weeks”, em São Paulo, ainda traz algumas propostas atrativas. Uma delas é o português A Tasca da Esquina, que participa da São Paulo Restaurant Week com uma boa apresentação da casa em seu menu de almoço (R$ 35 + R$ 1 de doação para o Instituto Ayrton Senna).

Pelo que pesquisei nos menus desta temporada, que vai de 2 a 15 de setembro, vale mais a pena visitar os restaurantes no almoço, já que o menu do jantar custa (R$ 48 + R$ 1 de doação). Na prática, a conta do almoço com café, água e taxa de serviço vai para R$ 50, no Marcel, por exemplo, ou para R$ 70 se incluir uma taça de vinho, como no A Tasca. Dos restaurantes que fazem cardápios criativos, saborosos e honestos no almoço da Restaurant Week indico AK Vila, Nama Baru e Obá Restaurante.

Veja também:
Wolf’s Garten: um brinde à boa mesa na Restaurant Week
Blú Bistrô: o lado bom da Restaurant Week

Nhoque ao molho aromatizado de trufas é a entrada do francês Marcel (Foto: Priscila Dal Poggetto)

Gnocchi ao molho aromatizado de trufas é a entrada do Marcel (Foto: Priscila Dal Poggetto)

Fazer reserva e escolher um cardápio que realmente vale a pena são as dicas básicas para aproveitar melhor o evento. Só que, este ano, a navegação no site da SPRW está bem ruim para quem quer pesquisar opções entre 130 cardápios participantes. A Veja São Paulo fez um especial com dicas e divisão por tipos de cozinha, restaurantes estreantes e bairros, que dá uma boa ajuda (acesse aqui).

Outra dica é aproveitar o período para experimentar clássicos como o suflê de queijo do francês Marcel, uma das opções do almoço promocional ao lado da delicada entrada de gnocchi ao molho aromatizado de trufas, que quase rouba a cena do suflê. A casa também oferece o boeuf bourguignon com tagliatelle como opção ao suflê (veja o menu).

O clássico suflê de queijo do Marcel (Foto: Daniela Braun)

O clássico suflê de queijo do Marcel (Foto: Daniela Braun)

Cadê o camarão?
No geral, o almoço no restaurante A Tasca da Esquina, foi agradável. Só um porém na entrada: ao contrário da foto e do que diz o menu, a sopa fria de tomates com camarão e cebolete (veja o menu) tem “farofinha de camarãozito” e não camarões, de fato. De qualquer forma, a leve entrada com toque de creme de leite e azeite é saborosa – só faltou o camarão da foto.

Nos pratos principais,  embora a opção certeira em uma casa portuguesa seja o bacalhau às natas (delicioso, apesar das duas espinhas de brinde), não menospreze os tenros medalhões de peito de frango acompanhados de batatinhas assadas e molho com cogumelos puxado no azeite. Quase pedi um ‘replay’ do prato principal – talvez a porção pudesse ser um pouquinho maior também.

Sopa fria de tomates com farofinha de camarão do A Tasca da Esquina. Só faltou o camarão de verdade mostrado na foto de divulgação.

Sopa fria de tomates com farofinha de camarão do A Tasca da Esquina. Só faltou o camarão de verdade mostrado na foto de divulgação. (Foto: Daniela Braun)

O pudim de ovos com creme de laranja fechou bem o menu. Para quem não é muito chegado aos doces portugueses, a opção é um simples sorvete de chocolate com farofa de castanhas. Vale tomar um café expresso acompanhado de copinho de creme de arroz doce. (R$ 4,60)

A carta de vinhos viaja por todas as regiões produtoras de Portugal, só em garrafas. Se quiser uma opção em taça peça o cardápio ao garçom e prepare-se porque o preço é salgado: a taça de vinho verde, perfeita para o almoço, custou R$ 24.

Pudim com ovos e creme de laranja entre as sobremesas do A Tasca da Esquina (Foto: Daniela Braun)

Pudim com ovos e creme de laranja do A Tasca da Esquina (Foto: Daniela Braun)

Dica final: Se for em duas pessoas tente evitar reservar as três mesinhas no sofá, ao fundo do salão porque são muito próximas. Só é legal para fazer amizade com outros clientes.

No geral, valeu a pena aproveitar a Restaurant Week para conhecer um bom restaurante, que é exatamente a proposta do evento – e não criar cardápios baratos e sem criatividade, que fogem da proposta do lugar. A casa também oferece seu próprio menu executivo no almoço, de segunda a sexta. Os preços variam de R$ 53 para o cardápio com pratos do mar e R$ 43 para opções “da terra”, que incluem costelinha de porco, por exemplo.

Café expresso com creme de arroz doce do A Tasca da Esquina (R$ 4,60)

Café expresso com creme de arroz doce do A Tasca da Esquina (R$ 4,60)

*Por Thais Cerioni

Becco 388, o favorito: Risoto de costela bovina desossada sem gordura, cozida lentamente no molho de vinho tinto coroada com onion rings

Nesta edição da RWSP, quase que sem querer, bati meu recorde de restaurantes visitados. Foram sete: quatro no almoço e três no jantar. Desses, três eu escolhi com antecedência, enquanto aos outros fui por não conseguir os que eu preferia, por indicação de amigos ou por casualidade mesmo.

Os escolhidos por mim foram Matriz Hamburgueria, Becco 388 e Obá – além do Entrecote de Paris e do Limonn, que gostaria de ter ido, mas cheguei até a porta e desisti por conta da espera.  Por acaso, tanto meu preferido quanto a grande decepção foram escolhas minhas.

A pior escolha: apesar das fritas, serviço atrapalhado do Matriz Hamburgueria deixou a mesa sem sobremesa

A pior escolha foi a Matriz Hamburgueria, onde almocei com colegas de trabalho na sexta (26/3). A batata frita de lá é excelente, o problema foi que ela chegou à mesa bem depois dos sanduiches (que são apenas OK, diga-se de passagem). Estávamos bem-humorados e não queríamos estresse, mas não deu pra evitar quando a conta demorou mais de meia hora para chegar à mesa e as sobremesas só vieram depois das máquinas de cartão. Obviamente, saímos sem comer o doce, nervosos e insatisfeitos.

Salada de erva doce laminada, gengibre japonês, gomos de laranja e lascas de parmesão do Becco 388

Na outra ponta do ranking está o Becco 388, que eu já conhecia, mas resolvi retornar durante a RWSP porque o cardápio me conquistou. Não só no papel. Certamente, foi o menu mais caprichado de todos os restaurantes que visitei e a execução, do couvert à sobremesa, estava impecável – impressão compartilhada pela amiga que estava comigo e escolheu todas as outras opções.

Destaque para o risoto de costela bovina com onion rings: simplesmente divino! Apesar de pequeno e “jovem” (tem pouco mais de um ano), o restaurante também não deixou nada a desejar em termos de serviço. Fica a dica para uma visita na próxima RWSP ou mesmo fora dela – nesse caso, prepare-se para uma conta salgadinha, mas que vale cada centavo!

Obá entre as boas pedidas da SPRW: Moqueca capixaba de peixe, leve e perfumada, com arroz, farinha e pirão

O Obá entrou na minha lista na última hora pela localização prática e pelo convincente post do Braun Café. Não vou me estender sobre ele, que já ganhou um post inteiro da Braun, mas vale destacar o sabor dos pratos e a cordialidade do serviço no almoço do último domingo (trocaram a minha entrada sem eu pedir, apenas porque o garçom me ouviu comentar com os amigos que tinha esquecido de pedir sem vinagrete. Me ganharam ali!).

Jantei também no Antonietta, que tem serviço simpático, mas comida apenas OK. Valeu pela entrada, surpreendentemente saborosa para uma salada de folhas verdes com nozes, pêra e gorgonzola.

Saint peter ao forno com berinjela à siciliana do Antonietta. Boa salada de pêra com gorgonzola e nozes, mas cardápio apenas 'OK'.

Na sexta-feira (1/4), almocei no Ban Kao, que não conhecia e não sabia nada a respeito. Gostei muito do serviço (especialmente para uma sexta, às 13h) e achei a comida legal para o que se propõe – mas definitivamente não é a especialidade de que mais gosto. Destaque para o fato de serem servidas as duas opções de entrada e de sobremesa, em porções reduzidas, para todos os clientes. Assim todo mundo experimenta de tudo um pouco!

Doce de abóbora na colher chinesa com calda de laranja do Ban Kao. Para evitar dúvidas, restaurante vietnamita serviu as duas opções de entrada e sobremesa, em porções pequenas

Totalmente sem querer, almocei no PJ Clarkes em uma terça-feira, às 13h. Serviço rápido e eficiente para o dia e horário, mas comida apenas OK – já não sou fã no PJ Clarkes e, além de tudo, eles não serviram no evento sua especialidade, que são os hambúrgueres. O resultado foi um menu pra lá de bobo – que até fez meu amigo optar por um sanduichão fora da RWSP.

Opção de almoço do PJ Clarkes: Meio galeto com purê de batatas e salsa verde. Cadê o hamburguer?

Finalmente, o primeiro que visitei, logo no segundo dia de evento: La Vecchia Cucina. Incomodada com o atendimento desagradável da hostess do L´Entrecôte de Paris, atravessei a rua para tentar a sorte no top de linha do Sérgio Arno.

Para minha surpresa, a hostess de lá (uma senhora muito simpática) consegui uma mesa para duas pessoas imediatamente. Daí pra frente, o serviço foi perfeito: o garçom nos indicou o vinho da casa (com bom custo-benefício), reduziu o ar condicionado, conversou, fez brincadeiras… e até nos presenteou com alguns petiscos, por eu ter dito que aceitaria a carne (em vez do peixe) caso ele tivesse anotado errado. Fofo, né?

Sorte e grata surpresa no La Vecchia Cucina. Medalhão de filé envolto com bacon e batatas ao molho de ervas, entre as opções

A comida, como é de se esperar de um restaurante desse porte, também não decepcionou. Apesar de simples, tudo extremamente bem preparado. E destaca-se ainda o fato de todos os clientes terem direito à massa, além de uma opção de prato principal. Bem à italiana!

*A querida Thais é jornalista, boa de garfo e adora provar novos sabores. Sempre trocamos figurinhas na SPRW e foi uma alegria receber este recorde de avaliações para os leitores do Braun Café. Obrigada Tha!

AK: Frango Confit com repolho roxo agridoce e batata bolinha. Foto: Arquivo São Paulo Restaurant Week (SPRW)/Agosto 2010

Na segunda temporada de 2010 da São Paulo Restaurant Week, que começa nesta segunda-feira (30/8) e vai até 12 de setembro, o preço do almoço promocional (entrada + prato principal + sobremesa) aumentou de R$ 27,50 para R$ 29, além da doação de R$ 1 opcional à Ação Criança. Já o jantar teve seu valor mantido em R$ 39 + R$ 1 de doação.

Limonn: Saint Pierre com pomodorine, alcachofra e arroz negro

Limonn: Saint Pierre com pomodorine, alcachofra e arroz negro. Opções: Fraldinha flambada na cachaça com batatas à provençal ou Risotto de quatro cogumelos com queijo ementhal Foto: Arquivo SPRW

Como dizem os economistas “não existe almoço grátis”. A @RestaurantWeek_ já vinha mantendo os R$ 27,50 há algumas temporadas e resolveu reajustar. O negócio é aplicar seus preciosos R$ 30 em um lugar com cardápio interessante. Afinal, como já comentei antes, penne à bolonhesa e hambúrguer a gente pode comer em casa ou gastando bem menos.

Seraphini (só jantar): Pescado ao molho de frutos do mar guarnecido por couscous italiano amanteigado com vegetais. Foto: Arquivo SPRW

Nesta segunda temporada da iniciativa a lista de restaurantes aumentou de 200 para 210, mas senti falta de alguns lugares bacanas como Brasil a gosto e Cordel da Vila, que foram muito elogiados em outras edições e não tive a oportunidade de conhecer ainda. O Cordel, segundo minha amiga Cecília, companheira de Restaurant Week, dá para encarar fora da promoção.

Sobremesa do AK: Mousse Moccachino com chantilly de canela e ovomaltine. Foto: Arquivo SPRW

Este ano, inclusive, Cecília ganhou um voucher da organização do evento e vamos ao Osteria sem pagar o almoço. Neste caso, abriremos uma exceção à teoria do almoço grátis, mas teremos de pagar os 10% pela bebida, que pode até ser um vinho mais bacana para compensar. Aliás, sempre inclua os 10% na sua contabilidade durante o evento.

Galeto com polenta aromática, ragú de paris e agriãozinho. Foto: Luis Simione/Arquivo SPRW

Aos vegetarianos, a boa notícia é que muitos restaurantes se preocuparam em oferecem opções em carne e há também o Apfel, um bom representante do ramo, que volta nesta temporada com um menu apetitoso até aos que não têm restrições alimentares.

Obá: Burrito de frijoles ao estilo do norte do méxico. Opção: Enroladinho mar e terra da jôse de boipeba. Foto: Arquivo SPRW

Entre os integrantes da Restaurant Week, que você pode experimentar sem erro, recomendo o AK Delicatessen, que sempre traz um menu criativo e delicioso na linha judaica contemporânea, e o Obá, que faz uma fusão entre culinária asiática, brasileira e mexicana, e cujos donos fazem parte da organização do evento.  Tive uma ótima experiência também com os sabores tailandeses do Marakuthai. Agora estou de olho no Lola Bistrô no Don Carlini.

As dicas quentes de leitores e amigos, que continuam nesta sétima temporada, incluem Caroline, Emprestado, Limonn, Seraphini e Vinheria Percussi.  Já o Roux Bistrô deixou a desejar, no começo do ano.

Lola Bistrô: Brandade de bacalhau com purê de salsa francesa, castanha e tapenade. Opção: Cordeiro braseado com polenta mole, cogumelo crocante e pimenta biquinho. Foto: Rafael Wainberg/Arquivo SPRW

Na sexta temporada também estive no Ají com a Ciça, querida ‘restaurant friend’, e no Le French Bazar (saiba mais sobre eles no toast ‘O Bazar do Francês‘). O primeiro mandou muito bem na entrada com um ótimo escondidinho de tilápia, mas as opções de prato principal não eram tão incríveis e o creme brulèe de maracujá com gosto de ovos decepcionou. Já o simpático bistrô, cuja reserva me foi ‘emprestada’ pela Cris Sato, serviu um excelente ragú de costela com polenta. Só não gostei da relação custo x benefício do couvert (R$ 7 por pessoa por uma cesta de pães simples, patê de fois e manteiga).

Opção de entrada do Marakuthai - Salada de cuscus marroquino com hortalicas e castanhas. Foto: Arquivo SPRW

Recomendações

No toast da primeira temporada da Restaurant Week 2010, você também encontra comentários sobre restaurantes visitados, mas volto a repetir algumas dicas que considero importantes para sua felicidade gastronômica.

– Reserve e seja pontual
São Paulo é a capital mundial da gastronomia e há muitas pessoas como nós que também querem aproveitar uma semana promocional para experimentar restaurantes caros e concorridos. Telefone com antecedência, faça sua reserva, confirme no dia e chegue pontualmente. Caso contrário, prepare-se para enfrentar horas de espera.

– Os 10%
O menu é promocional, mas a taxa de serviço não. É importante considerar os 10% sobre os R$ 30 do almoço ou os R$ 40 do jantar e as bebidas. Se for compensar com um vinho mais caro, lembre-se da taxa.

– A pegadinha do couvert
No caso do couvert, que geralmente é servido sem que o cliente peça, uma dica é perguntar se é cortesia da casa, já que estão lhe ‘oferecendo’. Outra recomendação é checar se a oferta vai valer a pena. No caso do French Bazar achei que não valia R$ 7 por pessoa. Já no AK (veja as fotos do couvert), você pode se deliciar com pães caseiros macios e três patês (saladinha de ovos, pepino no iogurte com dill e patê de fígado de galinha) por R$ 12 (pode pedir para uma pessoa e dividir que é bem servido).

– Restaurant executivo
Muitos participantes da Restaurant Week oferecem ótimas opções de almoço executivo com preços acessíveis e até inferiores aos da quinzena promocional. No caso do Oggi, por exemplo, pode ser mais jogo almoçar por R$ 31 no Buffet completo do que entrar na promoção. Se você tem horário flexível ou trabalha perto de lugares como o Seraphini, nos Jardins, ou o AK, na Consolação, vai se surpreender com as opções acessíveis e incrementadas do almoço executivo, sem data para acabar.

– Deguste comentários antes e opine depois
Minha recomendação final é que você procure ler comentários dos restaurantes que deseja experimentar. Aqui no Braun Café muita gente já mudou minha rota na Restaurant Week e deixei de pagar micos. E depois de ter uma ótima ou terrível experiência em um dos participantes, sua boa ação será compartilhar as dicas com outras pessoas na rede. Espero seu comentário!

Próximos destinos
Depois de São Paulo, a Restaurant Week passa por Belo Horizonte (20 de setembro a 3 de outubro), Curitiba (27 de setembro a 10 de outubro), Rio de Janeiro (18 a 31 de outubro) e Recife (15 a 28 de novembro). Há previsão, ainda não confirmada, para Porto Alegre (de 4 a 17 de outubro) e Salvador (22 de novembro a 5 de dezembro).

%d blogueiros gostam disto: