Torta de frango jamaicano, salada de grão de bico com cenouras da Hello Good Pie.

Hello Good Pie: Torta de frango jamaicano, salada de grão de bico com cenouras e limonada com hortelã por 7 euros. Melhor lugar.

Minha primeira missão em Berlim foi comer uma torta. Larguei as malas, peguei o metrô e fui direto pra Hello Good Pie, dica preciosa da amigóla Kay Gentile. Com um nome-trocadilho sensacional, o simpático café no bairro de Kreuzberg é especializado em tortas caseiras, com ingredientes orgânicos e preço bem amigo.

Antes de Berlim, o Braun Café passou por Viena e Praga. Veja as outras dicas desta viagem:
Dois banquetes, um doce e um café em Viena
Praga, a maravilhosa cidadezinha mágica

Estive por lá por volta das 15h e peguei uma promoção do almoço (torta + acompanhamento + suco). Escolhi a de frango jamaicano (massa macia e recheio suculento com especiarias), salada de grão de bico com cenouras e uma refrescante limonada com hortelã. Tudo por 7 euros. Oi? “You say good pie, and I say hello”.

Torta de peras com amêndoas e um expresso na Hello Good Pie.

Torta de peras com amêndoas e um expresso na Hello Good Pie.

Entre as versões doces, provei a sensacional e fofinha torta de peras caramelizadas e amêndoas com um expresso. Que delícia de almoço. Repito aqui o que a Kay me disse antes da viagem: “Vai pra Berlim e vai na Hello Good Pie”. Obrigada amiga.

Vitrine de embutidos da tradicional Rogacki Delicatessen (desde 1928).

Vitrine de embutidos da tradicional Rogacki Delicatessen (desde 1928).

A segunda missão veio do Tony, o Bourdain, de um antigo episódio de No Reservations: almoçar na Rogacki, tradicional delicatessen de Berlim (desde 1928). O lugar histórico merece uma volta para admirar as vitrines de embutidos multicoloridos, frutos do mar, peixes curtidos e arenques.

Clássicos da Rogacki: Filé de peixe empanado e duas versões de salada de batatas.

Clássicos da Rogacki: Filé de peixe empanado e duas versões de salada de batatas.

O esquema do almoço é simples: você entra na fila com sua bandeja, faz uma mímica para indicar o que deseja, caso não fale alemão, escolhe uma bebida (pedi um refri de maçã), paga a conta e se acomoda em um dos balcões para comer em pé. É assim mesmo. E depois de provar o maravilhoso filé de peixe empanado e as saladas de batatas do lugar, talvez você queira se ajoelhar…

Despedida com Wiener Schnitzel, na cervejaria Augustine.

Despedida com Wiener Schnitzel, na cervejaria Augustine.

Em Berlim resolvi dar uma variada no cardápio e a localização do flat ajudou muito. A Winterfeldstrasse, no bairro de Schoneberg, tem uma área com bares e restaurantes de diversas origens (indiano, grego, libanês, italiano, tailandês etc.). Recomendo o curry verde tailandês do Papaya (10 euros) . Também deu pra explorar o belíssimo mercado local, o Kaiser’s. Em junho, estação dos aspargos, fiz até spaghetti com aspargos brancos e tomatinhos. Ficou bem bom.

Linguiça artesanal grelhada, purê de batatas e chucrute.

Linguiça artesanal grelhada, purê de batatas e chucrute.

Mas no último jantar da viagem, na cidade que mais me emocionou, eu queria me despedir da cozinha local. No passeio pelo Gendarmenmarkt, a gente topou com a cervejaria Augustiner e foi o lugar perfeito para me despedir do Wiener Schnitzel. A pielsen de lá é uma delícia, mas se estiver no pique de vinho, recomendo uma taça do Grauburgunder Brunhilde (delicioso).

A refrescante pielsen da cervejaria Augustine na despedida da viagem.

A refrescante pielsen da cervejaria Augustine na despedida da viagem.

O prato do Fábio estava ainda mais gostoso: suculenta linguiça caseira grelhada com purê de batatas bem cremoso. Deu água na boca só de lembrar. A conta toda desse jantar perfeito saiu 49 euros. Valeu o investimento. Vielen danke Berlim!

Augustiner
Charlottenstrasse, 55, Gendarmenmarkt – Berlim
Metrô: U Franz. Str.
http://www.augustiner-braeu-berlin.de/

Hello Good Pie
Falckensteinstrasse, 9, Kreusberg – Berlim
Metrô: estação U-Bhf Schlesisches Tor
www.hellogoodpie.de

Rogacki Delicatessen
Wilmersdorfer Strasse, 145, Charlottenburg – Berlim
Metrô: estação U Bismarckstrasse
www.rogacki.de

Anúncios
O clássico apfelstrudel da histórica confeitaria Demel, no centro de Viena.

O clássico apfelstrudel da histórica confeitaria Demel, no centro de Viena.

Entre as palavras que o turista mais ouve falar na capital da Áustria estão Mozart, Sissi e Schnitzel. O terceiro, uma ‘personalidade’ da gastronomia local, inspirada no milanesa italiano, se apresenta desde a forma mais simples, no sanduba, ao mais requintado, o Wiener Schnitzel.

Além de Viena, o Braun Café também passou por Praga e Berlim. Veja outras dicas saborosas para seu roteiro de viagem:
Praga, a maravilhosa cidadezinha mágica
3 lugares para comer bem em Berlim

Prato-banquete com schnitzel de lombo de porco e salada de batatas cozidas.

Prato-banquete com schnitzel de lombo de porco e salada de batatas cozidas.

O Figlmüller, no centro, é o lugar mais tradicional da cidade para provar o famoso filé de carne de porco ou vitelo empanado à moda vienense. Mas sem reserva, nada feito. Daí que fui provar meu schnitzel ali perto, no Zum Blumenstock.

Cidra é opção refrescante nos dias quentes, além das cervejas.

Cidra é opção refrescante nos dias quentes, além das cervejas.

Na antiga capital do império austro-húngaro, as porções são dignas de banquetes. Tanto é que recebi um prato com três filés de lombo de porco empanados e uma deliciosa salada de batatas cozidas ao molho vinagrete. Tudo por 9,90 euros. A suave cerveja pilsen local é servida em canecas generosas.

A majestosa costelinha de porco do ... com batatas coradas.

A majestosa costelinha de porco do MariahilferBräu com batatas coradas.

Não se acanhe em dividir pratos, que aparentemente, seriam individuais. Foi o que fizemos ao pedir as maravilhosas costelinhas de porco do restaurante e cervejaria MariahilferBräu. Servida em uma tábua de madeira, no estilo medieval, a linda peça de costela vem acompanhada de batatas coradas e dois molhos (custa 17 euros e serve muito bem dois comilões). Além das cervejas da casa, vale provar a cidra bem refrescante.

Melange, o capuccino vienense, no café que foi cenário de 'Antes do Amanhecer'.

Melange, o capuccino vienense, em um dos cenários de ‘Antes do Amanhecer’.

Depois desses banquetes fica difícil encarar a sobremesa, mas não deixe Viena sem provar um doce e um café. Aproveite uma tarde para conhecer a histórica confeitaria Demel, berço da clássica Torta Sacher (Sacher-Torte), desde 1786. Experimentei um sublime apfelstrudel, outro orgulho local. Um café no bule com creme acompanhou meu doce favorito. O preço da elegância saiu 9 euros, mas valeu a pena. E se você quer provar doces austríacos em São Paulo, a Confeitaria Cristina, no Campo Belo, é um bom lugar.

Ali perto da Demel, na charmosa Franziskanerplatz, você também pode tomar um café ou drink em um dos cenários românticos do filme “Antes do Amanhecer”. O pequeno Kleines Café também serve alguns petiscos, num esquema simples, meio “botecafé”. Tomei um ótimo melange, o cappuccino vienense, com uma suntuosa espuma de leite.

Antes do pôr do sol
Dois lugares bacanas e meio fora da curva turística para conhecer em Viena:

Cardápio de 1839 para um jantar do rei da Áustria em uma viagem, na Biblioteca Nacional da Áustria.

Cardápio do século 19 para um jantar do rei da Áustria em uma viagem a Monte Carlo, na Biblioteca Nacional da Áustria.

– A Biblioteca Nacional Austríaca é um cenário espetacular. Além do acervo de obras seculares, encontrei um cardápio de 1839, na exposição sobre o rei Franz Joseph.

Viena vista de cima no mirante Kahlenberg, para encerrar um dia de passeios e ver o pôr-do-sol.

Viena vista de cima no mirante Kahlenberg, antes do pôr-do-sol.

– O mirante da cidade, que fica na montanha Kahlenberg, tem uma vista maravilhosa. No caminho dá para conhecer vinícolas locais. Depois é só admirar o visual de toda a cidade e ver o Rio Danúbio até o pôr do sol. Para chegar lá pegue a linha verde do metrô (U4) até a estação final Heiligenstadt. De lá, pegue o ônibus 38A até a estação chamada Kahlenberg.

Demel
Kohlmarkt, 14 – Viena

Figlmüller
Bäckerstrasse, 6 ou Wollzeile, 5 – Viena
Reserve pelo site: https://www.figlmueller.at/en/

Kleines Café
Franziskanerplatz, 3 – Viena

MariahilferBräu
Mariahilfer Strasse, 152 (esquina com a Rosinagasse)

Zum Blumenstock
Ballgasse, 6 – Viena

Confeitaria Christina (especializada em doces austríacos)
Rua Vieira de Morais, 837, Campo Belo – São Paulo – SP
Tel.: (11) 5561-2354

Medalhões de peito de frango com batatinhas e cogumelos puxados no azeite do português A Tasca da Esquina (Foto: Ciça Aidar)

Peito de frango com batatas e cogumelos puxados no azeite do português A Tasca da Esquina (Foto: Ciça Aidar)

A quinzena promocional de restaurantes que chegou ao país em 2007 e inspirou outras “Weeks”, em São Paulo, ainda traz algumas propostas atrativas. Uma delas é o português A Tasca da Esquina, que participa da São Paulo Restaurant Week com uma boa apresentação da casa em seu menu de almoço (R$ 35 + R$ 1 de doação para o Instituto Ayrton Senna).

Pelo que pesquisei nos menus desta temporada, que vai de 2 a 15 de setembro, vale mais a pena visitar os restaurantes no almoço, já que o menu do jantar custa (R$ 48 + R$ 1 de doação). Na prática, a conta do almoço com café, água e taxa de serviço vai para R$ 50, no Marcel, por exemplo, ou para R$ 70 se incluir uma taça de vinho, como no A Tasca. Dos restaurantes que fazem cardápios criativos, saborosos e honestos no almoço da Restaurant Week indico AK Vila, Nama Baru e Obá Restaurante.

Veja também:
Wolf’s Garten: um brinde à boa mesa na Restaurant Week
Blú Bistrô: o lado bom da Restaurant Week

Nhoque ao molho aromatizado de trufas é a entrada do francês Marcel (Foto: Priscila Dal Poggetto)

Gnocchi ao molho aromatizado de trufas é a entrada do Marcel (Foto: Priscila Dal Poggetto)

Fazer reserva e escolher um cardápio que realmente vale a pena são as dicas básicas para aproveitar melhor o evento. Só que, este ano, a navegação no site da SPRW está bem ruim para quem quer pesquisar opções entre 130 cardápios participantes. A Veja São Paulo fez um especial com dicas e divisão por tipos de cozinha, restaurantes estreantes e bairros, que dá uma boa ajuda (acesse aqui).

Outra dica é aproveitar o período para experimentar clássicos como o suflê de queijo do francês Marcel, uma das opções do almoço promocional ao lado da delicada entrada de gnocchi ao molho aromatizado de trufas, que quase rouba a cena do suflê. A casa também oferece o boeuf bourguignon com tagliatelle como opção ao suflê (veja o menu).

O clássico suflê de queijo do Marcel (Foto: Daniela Braun)

O clássico suflê de queijo do Marcel (Foto: Daniela Braun)

Cadê o camarão?
No geral, o almoço no restaurante A Tasca da Esquina, foi agradável. Só um porém na entrada: ao contrário da foto e do que diz o menu, a sopa fria de tomates com camarão e cebolete (veja o menu) tem “farofinha de camarãozito” e não camarões, de fato. De qualquer forma, a leve entrada com toque de creme de leite e azeite é saborosa – só faltou o camarão da foto.

Nos pratos principais,  embora a opção certeira em uma casa portuguesa seja o bacalhau às natas (delicioso, apesar das duas espinhas de brinde), não menospreze os tenros medalhões de peito de frango acompanhados de batatinhas assadas e molho com cogumelos puxado no azeite. Quase pedi um ‘replay’ do prato principal – talvez a porção pudesse ser um pouquinho maior também.

Sopa fria de tomates com farofinha de camarão do A Tasca da Esquina. Só faltou o camarão de verdade mostrado na foto de divulgação.

Sopa fria de tomates com farofinha de camarão do A Tasca da Esquina. Só faltou o camarão de verdade mostrado na foto de divulgação. (Foto: Daniela Braun)

O pudim de ovos com creme de laranja fechou bem o menu. Para quem não é muito chegado aos doces portugueses, a opção é um simples sorvete de chocolate com farofa de castanhas. Vale tomar um café expresso acompanhado de copinho de creme de arroz doce. (R$ 4,60)

A carta de vinhos viaja por todas as regiões produtoras de Portugal, só em garrafas. Se quiser uma opção em taça peça o cardápio ao garçom e prepare-se porque o preço é salgado: a taça de vinho verde, perfeita para o almoço, custou R$ 24.

Pudim com ovos e creme de laranja entre as sobremesas do A Tasca da Esquina (Foto: Daniela Braun)

Pudim com ovos e creme de laranja do A Tasca da Esquina (Foto: Daniela Braun)

Dica final: Se for em duas pessoas tente evitar reservar as três mesinhas no sofá, ao fundo do salão porque são muito próximas. Só é legal para fazer amizade com outros clientes.

No geral, valeu a pena aproveitar a Restaurant Week para conhecer um bom restaurante, que é exatamente a proposta do evento – e não criar cardápios baratos e sem criatividade, que fogem da proposta do lugar. A casa também oferece seu próprio menu executivo no almoço, de segunda a sexta. Os preços variam de R$ 53 para o cardápio com pratos do mar e R$ 43 para opções “da terra”, que incluem costelinha de porco, por exemplo.

Café expresso com creme de arroz doce do A Tasca da Esquina (R$ 4,60)

Café expresso com creme de arroz doce do A Tasca da Esquina (R$ 4,60)

Almoço no Kampa com amigo de Lucas Mendes e Paulo Francis

Almoço no Kampa com amigo de Lucas Mendes e Paulo Francis. Foto: divulgação

Por Cecília Araújo*

Quando chegar a uma cidade na República Tcheca, se não souber falar ou ler tcheco, não chegue aos domingos. Caso aconteça, tenha paciência porque os balcões de informação estão fechados e você vai levar uma hora para comprar seu bilhete de metrô… e 1 minuto para descer até a plataforma na escala rolante mais rápida do mundo!

Confit de pato com cassoulet no restaurante Kampa, em Praga. Foto: Cecília Araújo

Confit de pato com cassoulet no restaurante Kampa, em Praga. Foto: Cecília Araújo

No primeiro dia, em Praga, recomendo um passeio de barco pela cidade, que faz parte de um city tour gigante, mas os 40 minutos no Rio Vltava já ajudam a te localizar na cidade.

Prato do dia em Praga: batatas gratinadas, filé de frango e mussarela de búlafa com molho de frutas vermelhas.

Prato do dia em Praga: batatas gratinadas, filé de frango e mussarela de búfala com molho de frutas vermelhas.

Foi no barco que conheci Bernard, um negociador de vinhos aposentado, e seu filho Alex, dois norte-americanos muito simpáticos.

Quando falei que era do Brasil descobri que Bernard era um ótimo contador de histórias: passou a lua-de-mel por aqui, viajou pelo País, morou em Nova Iorque, onde tinha diversos amigos brasileiros: Lucas Mendes, Paulo Francis (jogava pôker com Francis) e James, sim o criador do vinho Marcus James. O James era simpático, contou Bernard, já o vinho…

Berlim: ótimos kebabs como este, no prato, em um restaurante turco

Berlim: ótimos kebabs como este, no prato, em um restaurante turco

Bernard (Forrest Gump) passou apuros no Rio de Janeiro, por sua conta e risco. Resolveu pegar a ponte aérea Rio-São Paulo sem documentos, enfrentou o policial e foi demovido com uma arma na cabeça. A ousadia virou história de boteco e rendeu uma charge… do Henfil.

Lindo joelho de Berlim: tradcional eisben cozido com batatas e purê de maçã

Berlim: tradicional eisben cozido com batatas e purê de maçã

Após um passeio com a dupla pela cidade, fui convidada para almoçar no Kampa Park, um restaurante bem bacana, na beira do rio. Pelo estilo achei que minhas economias acabariam ali, mas até que não saiu tão caro… pra falar a verdade, saiu de graça porque Bernard é um cavalheiro.

O restaurante oferece um menu especial de almoço, com opções bem interessantes. Escolhi um confit de pato com cassoulet de feijão branco, linguiça e bacon crocante (48 reais), que estava sensacional. Para beber escolhemos um vinho branco local [e agora prepare seu tcheco], o “Vinohrad, Ryzlink Rýnský, Kolekce Premium, 2007”. Não entendeu nada? Tudo bem. Estava uma delícia e custava 68 reais.

A sobremesa deliciosa era um prato de panquecas tchecas (fofinhas com a aparência de rabanadas) com molho de frutas vermelhas e creme branco de canela. Afff…

O atendimento do local merece destaque, não só porque a cada troca de pratos eu era chamada de ‘madam’, mas porque os garçons eram extremamente bonitos. Os homens de Praga são bem apessoados, em geral, mas a equipe do Kampa devia ter outra genética.

Budapeste: visite o Mercado Municial e reserve quatro dias para conhecer a cidade

Budapeste: visite o Mercado Municipal e reserve quatro dias para conhecer a cidade

Café astronômico
Praga é uma cidade tão turística, que foi difícil saber onde os locais vivem – talvez eles morem nos restaurantes. Como tal, também reserva armadilhas. Fui esperar a hora cheia do relógio astronômico da cidade – quando vários bonequinhos saem pela janela – tomando um café expresso, que custou astronômicos 7 euros. E os bonequinhos nem tinham tanta graça.

A viagem começou em Berlim, onde comi uma deliciosa porção de falafel (4,50 euros), um kebab gostoso e muito bem servido (3 euros) e um tradicional eisbein cozido com batatas, que estava ok.

Ótimas cervejas tchecas, mas sempre em tamanho grande

Ótimas cervejas tchecas, mas sempre em tamanho grande

Cervejas, claro, tomei todas e as tchecas eram as melhores, mas os nomes se parecem com o do vinho branco, então deixa pra lá. E se você quiser tomar só um chopinho, só um garotinho, esqueça. Os bares de Berlim, Praga e Budapeste não servem pouca cerveja.

Vinho dos reis
Não saia da Hungria sem comprar pelo menos uma garrafa de Tokaji Szamorodni, vinho de sobremesa tradicional de lá. Trouxe meia garrafa do “vinho dos reis” por apenas 8 euros.

Última dica: nunca tente pegar o metrô em Budapeste após algumas cervejas. Como diz o Chico Buarque, húngaro é o único idioma que o diabo respeita.

Albergue em Berlim: clima bacana e local organizado

Albergue em Berlim: clima bacana e local organizado

Hospedagem:

Berlim – Wombats Hostel (20 euros a diária)

Praga – Akcent Hotel

Budapeste – Golden Park Hotel

*Cecília Araújo é publicitária, amigona do coração e sempre faz viagens bacanas pelo mundo.

%d blogueiros gostam disto: