As tartes de aspargos com parma, shitake com queijo de cabra e outros sabores da Depois de Paris.

Depois de Paris propões comida com afeto. Em destaque, a tarte de aspargos com parma

Há um ano, a Karina Gentile, minha amiga Kay, decidiu seguir seu coração e criou a Depois de Paris, que oferece tartes, quiches, muffins, brownies e outras delícias por encomenda. A inspiração veio depois de uma viagem à cidade luz, com a família, e do encanto pelas tartes, as tortas abertas francesas.

Tartes têm ingredientes orgânicos e opção de massa integral, em 3 tamanhos: indivisual, médio e grande

Ingredientes orgânicos e opção de massa integral em 3 tamanhos: individual, médio e grande

A Kay é designer, mas sempre amou cozinhar e faz isso muito bem. Nas tardes de papos com ela e, rapidinho, saía um fettuccine Alfredo, um risoto ou uma sopinha de grão de bico. Simples e reconfortante. É aquela comida que te dava um abraço, sabe? Com a Depois de Paris, não foi diferente. Seu lema: “Pra gente, gourmet é afeto”.

Os maravilhosos muffins de escarola (muito fofos e bem recheados) têm versão com bacon

O maravilhoso muffin de escarola (grande, fofinho e bem recheado) têm versão com bacon

Me lembro também da primeira vez que provei as tartes, no ano passado. A Kay tinha feito pesquisas, cursos técnicos, criado um conceito e montado uma cozinha pró em casa. E lá estava a mesa cheirosa e colorida com tartes de aspargos com parma, de queijo de cabra com shitake e de espinafre. Fiquei impressionada com a consistência, macia, com o recheio farto e o equilíbrio de sabores.

Tarte de espinafre. Massa macia, com recheio farto e saboroso

Tarte de espinafre: macia com recheio farto e muito saboroso

Karina tem princípios. Todos os ingredientes são orgânicos e de fornecedores selecionados. O queijo que recheia o bolo salgado com presunto e tomate, por exemplo, vem de um fornecedor do Mercado Municipal e este fornecedor será. Ela tem opção de massa integral (muito boa), mas não dispensa glúten ou latose. O muffin de escarola (fofinho e bem recheado) também tem versão com bacon. Gosto de princípios.

Torta Marguerita com tomates e queijo, também faz sucesso.

Torta Marguerita: combinação perfeita de tomates e queijo

Ainda não provei todos os quitutes – tem uma Quiche Lorraine me esperando para hoje à noite. Oba -, mas a tarte de espinafre é um destaque, na minha opinião. Muito bem recheada, leve e saborosa. Outro sucesso é a Margherita, de tomates e queijo, feita a pedido do marido Maurício, o Mau. Legal ver o efeito de um bom trabalho com ingredientes simples e de qualidade. E ainda por cima é saudável.

O 'brownie da Sabine': massa com chocolate belga e os tradicionais pedaços de chocolate branco

O ‘brownie da Sabine’: massa com chocolate belga e os tradicionais pedaços de chocolate branco

O cardápio também tem doces como o cheesecake com frutas vermelhas e o brownie da Sabine, irmã da Kay. Esse clássico, eu conheci há uns 20 anos, quando papeava na cozinha com os Gentile, enquanto a Sabine cortava o chocolate branco que dá o toque no meio da massa. A Depois de Paris resgata a receita com fidelidade e belos pedaços de chocolate branco. É só alegria.

EmbalagemDepois
A Depois de Paris entrega em diversos bairros de São Paulo e está sempre conectada. No Facebook, no Instagram  e no site você pode fazer pedidos, ver os locais de entrega e o cardápio completo, com os preços (a torta média custa R$ 55 e dá para quatro pessoas enquanto o ‘super’ muffin sai por R$ 12 a unidade). Espero que você experimente e se emocione como eu.

Depois de Paris
Facebook: https://www.facebook.com/depoisdeparis
Instagram: @depoisdeparis
Site: http://www.depoisdeparis.com.br/

Cozinha dos sonhos em um antigo edifício no bairro de Porta Palazzo, em Torino

Cozinha dos sonhos em um antigo edifício no bairro de Porta Palazzo, em Torino

O apartamento mais legal que encontramos pelo Air BnB na viagem à Itália foi o da querida Valentina, na suntuosa Torino. Em um prédio bem antigo, que deve ter uns 200 anos, ela reformou todo o apê com estilo, preservando um belo ladrilho e arcos de tijolos originais. A sala, sem TV, tinha muitos CDs, livros e uma moto antiga, tipo Harley, como decoração.

Carbonara "tradizionale" num dia chuvoso

Carbonara “tradizionale” na Itália

Na cozinha toda equipada, encontrei diversas receitas com ovos penduradas entre os utensílios e uma mesa para pensar na vida. O quadro em frente, trazia a reflexão em um cartãozinho vermelho: “Pelo menos uma hora por dia, você precisa ser feliz”. Segui o conselho e preparei minha massa favorita: spaghetti à carbonara, com ovos e pancetta comprados no mercadinho do bairro.

Jantar depois da visita ao Eataly de Torino

Preparando o jantar depois da visita ao Eataly de Torino

Logo ao lado do edifício estava o Mercato di Porta Palazzo, um misto de feira da pechincha e feira livre enorme, onde vi uns cogumelos tão grandes que pareciam enfeites de jardim. Pena que choveu muito, todos os dias, e não deu pra aproveitar muita coisa da área, que era tipo um Brás de Torino.

Dolcetto D'Alba de Treiso, (meia garrafa = 3 euros)

Dolcetto D’Alba de Treiso, (meia garrafa = 3 euros)

Em Torino também fiz minha primeira visita a uma loja da rede Eataly, um supermercado da gastronomia italiana, que deve chegar a São Paulo este ano, com uma loja na região do Itaim. Imagina escolher uma massa nesse lugar? É de enlouquecer.

Abobrinha redonda refogada no azeite com sal. Para finalizar, pimenta moída e parmesão no prato

Abobrinha redonda refogada no azeite com sal. Para finalizar, pimenta moída e parmesão no prato

Depois de pirar no Eataly, fiz um jantar para dois: filé com spaghetti all’arrabbiata, pão caseiro de centeio e vinhos do Piemonte para acompanhar (meia garrafa de Gavi, delicioso branco da região, e meia de Dolcetto D’Alba, da cidade de Treiso). Também teve entrada com abobrinha redonda, que foi refogada no azeite e servida com parmesão regiano e pimenta moída na hora. Ficou show.

Slow Food

Sede do movimento Slow Food, na pequena cidade de Bra

Na pequena cidade de Bra, onde nasceu o movimento Slow Food

Aproveitamos a viagem para conhecer a cidade de Bra, na província de Cuneo, onde nasceu o movimento Slow Food. E foi lá, na modesta Osteria Del Chiosco ao lado da estação de trem, que provei a melhor massa da viagem: o ravioli “plin”.

O melhor da viagem: ravioli 'plin' com manteiga e salvia, na Osteria del Chiosco, em Bra

O melhor da viagem: ravioli ‘plin’ com manteiga e salvia, na Osteria del Chiosco, em Bra

O dono do café beliscava o braço dizendo: “Plin! Assim… entende?”. Cheguei a achar que era recheado com pele ou pururuca, mas o belisco é só um jeito de fechar o ravioli com recheio de vitelo, servido na manteiga com sálvia.

Simples, perfeito e barato (7 euros), com uma taça de vinho tinto, o “plin” foi uma beliscada pra lembrar daquela mensagem da cozinha da Valentina. Feliz 2015!

Mensagem na cozinha do apartamento de Torino

Na cozinha do apartamento de Torino, um conselho para a vida

Eataly
Via Nizza, 230/14, 10126 – Torino, Itália
Tel.: +39 011 1950 6801

L’Osteria del Chiosco
Piazza Roma, 35 – Bra, Itália
Tel.: +39 0172 41 2181

Mercato di Porta Palazzo
Piazza della Repubblica, 10.152 – Torino, Itália

%d blogueiros gostam disto: