Slow Burger Food

fevereiro 17, 2019

Sorriso, com queijo taleggio e maionese da casa, é uma das opções do cardápio rotativo do chef Max Galise, que segue os princípios Slow Food em seu restaurante no Paraíso

Hambúrguer gourmet e cerveja artesanal é uma combinação que se multiplicou rapidamente pela cidade de São Paulo entre food trucks e estabelecimentos. O Galise Burger, aberto há pouco mais de um ano, no Paraíso, seria mais um só que sua proposta é trazer o hambúrguer – símbolo supremo da cultura fast food – para os princípios do slow food.

A ideia de vender “slow burger food” é de Max Galise, o simpático chef italiano e proprietário, que nasceu no povoado de Saluzzo, a 20 quilômetros de Bra, capital mundial do movimento Slow Food. O legal é que eu, andando pelo Paraíso em uma quinta-feira à noite em busca de um lugarzinho para jantar, não tinha a menor ideia dessa história até entrar para conhecer o restaurante e abrir o cardápio.

“Nada aqui é pré-cozido. Nada é de ontem. Tudo é fresco, preparado na hora, com carinho e amor, ingredientes fundamentais no preparo de uma boa comida”, diz a primeira página do menu, que começa com um trecho do statuto Slow Food. Bom… quase chorei de emoção. Veio aquela memória gostosa da charmosa cidadezinha no Norte da Itália onde provei o “ravioli plin”, uma das melhores massas da vida.

O Galise também é uma saborosa surpresa. Do cardápio rotativo provei o Sorriso (R$ 36), que é garantia de felicidade. O burguer de 160 gramas leva queijo taleggio Serra das Antas, alface, cebola roxa, tomate, maionese da casa e pão brioche da Academia do Pão, padaria artesanal que fica ali pertinho. Dá água na boca só de lembrar do suculento hambúrguer que eu comi comas mãos mesmo. O suco da carne ao ponto vai amolecendo a parte de baixo do brioche então fiz lambança, mas valeu a pena. Eles oferecem talheres para quem preferir ser mais fino, ou slow. Ah! Vale lembrar que o serviço é atencioso e não é lento :-).

Outra boa pedida foi o Luana (R$ 37), uma versão mais potente com queijo cheddar, radicchio, cebola, tomate, bacon e picles de pepino no pão brioche. A porção de fritas é igualmente bem servida então peça meia para 2 ou 3 pessoas. Vale provar a batatinha com a redução de balsâmico que decora lindamente o prato do sanduíche.

Para acompanhar escolhi a Belgian Tripel (R$ 28) da cervejaria Cevada Pura, de Piracicaba, que leva açafrão e pimenta rosa. Ótima pedida entre diversos rótulos interessantes que, assim como o cardápio, te convidam a voltar sempre ao Galise per mangiare molto bene.

Galise Burger
Rua Carlos Steinen, 270 – Paraíso, São Paulo – SP
Tel.: (11) 2372-0735

As tartes de aspargos com parma, shitake com queijo de cabra e outros sabores da Depois de Paris.

Depois de Paris propões comida com afeto. Em destaque, a tarte de aspargos com parma

Há um ano, a Karina Gentile, minha amiga Kay, decidiu seguir seu coração e criou a Depois de Paris, que oferece tartes, quiches, muffins, brownies e outras delícias por encomenda. A inspiração veio depois de uma viagem à cidade luz, com a família, e do encanto pelas tartes, as tortas abertas francesas.

Tartes têm ingredientes orgânicos e opção de massa integral, em 3 tamanhos: indivisual, médio e grande

Ingredientes orgânicos e opção de massa integral em 3 tamanhos: individual, médio e grande

A Kay é designer, mas sempre amou cozinhar e faz isso muito bem. Nas tardes de papos com ela e, rapidinho, saía um fettuccine Alfredo, um risoto ou uma sopinha de grão de bico. Simples e reconfortante. É aquela comida que te dava um abraço, sabe? Com a Depois de Paris, não foi diferente. Seu lema: “Pra gente, gourmet é afeto”.

Os maravilhosos muffins de escarola (muito fofos e bem recheados) têm versão com bacon

O maravilhoso muffin de escarola (grande, fofinho e bem recheado) têm versão com bacon

Me lembro também da primeira vez que provei as tartes, no ano passado. A Kay tinha feito pesquisas, cursos técnicos, criado um conceito e montado uma cozinha pró em casa. E lá estava a mesa cheirosa e colorida com tartes de aspargos com parma, de queijo de cabra com shitake e de espinafre. Fiquei impressionada com a consistência, macia, com o recheio farto e o equilíbrio de sabores.

Tarte de espinafre. Massa macia, com recheio farto e saboroso

Tarte de espinafre: macia com recheio farto e muito saboroso

Karina tem princípios. Todos os ingredientes são orgânicos e de fornecedores selecionados. O queijo que recheia o bolo salgado com presunto e tomate, por exemplo, vem de um fornecedor do Mercado Municipal e este fornecedor será. Ela tem opção de massa integral (muito boa), mas não dispensa glúten ou latose. O muffin de escarola (fofinho e bem recheado) também tem versão com bacon. Gosto de princípios.

Torta Marguerita com tomates e queijo, também faz sucesso.

Torta Marguerita: combinação perfeita de tomates e queijo

Ainda não provei todos os quitutes – tem uma Quiche Lorraine me esperando para hoje à noite. Oba -, mas a tarte de espinafre é um destaque, na minha opinião. Muito bem recheada, leve e saborosa. Outro sucesso é a Margherita, de tomates e queijo, feita a pedido do marido Maurício, o Mau. Legal ver o efeito de um bom trabalho com ingredientes simples e de qualidade. E ainda por cima é saudável.

O 'brownie da Sabine': massa com chocolate belga e os tradicionais pedaços de chocolate branco

O ‘brownie da Sabine’: massa com chocolate belga e os tradicionais pedaços de chocolate branco

O cardápio também tem doces como o cheesecake com frutas vermelhas e o brownie da Sabine, irmã da Kay. Esse clássico, eu conheci há uns 20 anos, quando papeava na cozinha com os Gentile, enquanto a Sabine cortava o chocolate branco que dá o toque no meio da massa. A Depois de Paris resgata a receita com fidelidade e belos pedaços de chocolate branco. É só alegria.

EmbalagemDepois
A Depois de Paris entrega em diversos bairros de São Paulo e está sempre conectada. No Facebook, no Instagram  e no site você pode fazer pedidos, ver os locais de entrega e o cardápio completo, com os preços (a torta média custa R$ 55 e dá para quatro pessoas enquanto o ‘super’ muffin sai por R$ 12 a unidade). Espero que você experimente e se emocione como eu.

Depois de Paris
Facebook: https://www.facebook.com/depoisdeparis
Instagram: @depoisdeparis
Site: http://www.depoisdeparis.com.br/

Cozinha dos sonhos em um antigo edifício no bairro de Porta Palazzo, em Torino

Cozinha dos sonhos em um antigo edifício no bairro de Porta Palazzo, em Torino

O apartamento mais legal que encontramos pelo Air BnB na viagem à Itália foi o da querida Valentina, na suntuosa Torino. Em um prédio bem antigo, que deve ter uns 200 anos, ela reformou todo o apê com estilo, preservando um belo ladrilho e arcos de tijolos originais. A sala, sem TV, tinha muitos CDs, livros e uma moto antiga, tipo Harley, como decoração.

Carbonara "tradizionale" num dia chuvoso

Carbonara “tradizionale” na Itália

Na cozinha toda equipada, encontrei diversas receitas com ovos penduradas entre os utensílios e uma mesa para pensar na vida. O quadro em frente, trazia a reflexão em um cartãozinho vermelho: “Pelo menos uma hora por dia, você precisa ser feliz”. Segui o conselho e preparei minha massa favorita: spaghetti à carbonara, com ovos e pancetta comprados no mercadinho do bairro.

Jantar depois da visita ao Eataly de Torino

Preparando o jantar depois da visita ao Eataly de Torino

Logo ao lado do edifício estava o Mercato di Porta Palazzo, um misto de feira da pechincha e feira livre enorme, onde vi uns cogumelos tão grandes que pareciam enfeites de jardim. Pena que choveu muito, todos os dias, e não deu pra aproveitar muita coisa da área, que era tipo um Brás de Torino.

Dolcetto D'Alba de Treiso, (meia garrafa = 3 euros)

Dolcetto D’Alba de Treiso, (meia garrafa = 3 euros)

Em Torino também fiz minha primeira visita a uma loja da rede Eataly, um supermercado da gastronomia italiana, que deve chegar a São Paulo este ano, com uma loja na região do Itaim. Imagina escolher uma massa nesse lugar? É de enlouquecer.

Abobrinha redonda refogada no azeite com sal. Para finalizar, pimenta moída e parmesão no prato

Abobrinha redonda refogada no azeite com sal. Para finalizar, pimenta moída e parmesão no prato

Depois de pirar no Eataly, fiz um jantar para dois: filé com spaghetti all’arrabbiata, pão caseiro de centeio e vinhos do Piemonte para acompanhar (meia garrafa de Gavi, delicioso branco da região, e meia de Dolcetto D’Alba, da cidade de Treiso). Também teve entrada com abobrinha redonda, que foi refogada no azeite e servida com parmesão regiano e pimenta moída na hora. Ficou show.

Slow Food

Sede do movimento Slow Food, na pequena cidade de Bra

Na pequena cidade de Bra, onde nasceu o movimento Slow Food

Aproveitamos a viagem para conhecer a cidade de Bra, na província de Cuneo, onde nasceu o movimento Slow Food. E foi lá, na modesta Osteria Del Chiosco ao lado da estação de trem, que provei a melhor massa da viagem: o ravioli “plin”.

O melhor da viagem: ravioli 'plin' com manteiga e salvia, na Osteria del Chiosco, em Bra

O melhor da viagem: ravioli ‘plin’ com manteiga e salvia, na Osteria del Chiosco, em Bra

O dono do café beliscava o braço dizendo: “Plin! Assim… entende?”. Cheguei a achar que era recheado com pele ou pururuca, mas o belisco é só um jeito de fechar o ravioli com recheio de vitelo, servido na manteiga com sálvia.

Simples, perfeito e barato (7 euros), com uma taça de vinho tinto, o “plin” foi uma beliscada pra lembrar daquela mensagem da cozinha da Valentina. Feliz 2015!

Mensagem na cozinha do apartamento de Torino

Na cozinha do apartamento de Torino, um conselho para a vida

Eataly
Via Nizza, 230/14, 10126 – Torino, Itália
Tel.: +39 011 1950 6801

L’Osteria del Chiosco
Piazza Roma, 35 – Bra, Itália
Tel.: +39 0172 41 2181

Mercato di Porta Palazzo
Piazza della Repubblica, 10.152 – Torino, Itália

%d blogueiros gostam disto: